AGU garante na Justiça apuração de falhas em obras das Olimpíadas de 2016

Imprimir: AGU garante na Justiça apuração de falhas em obras das Olimpíadas de 2016 Compartilhamento: AGU garante na Justiça apuração de falhas em obras das Olimpíadas de 2016 AGU garante na Justiça apuração de falhas em obras das Olimpíadas de 2016 AGU garante na Justiça apuração de falhas em obras das Olimpíadas de 2016 AGU garante na Justiça apuração de falhas em obras das Olimpíadas de 2016
Publicado : 15/07/2019 - Atualizado às : 17:16:17

A Advocacia-Geral da União (AGU) obteve na Justiça Federal decisão que obriga a prefeitura do Rio de Janeiro e a empresa municipal Rio-Urbe a entregarem toda a documentação das obras no Parque Olímpico da Barra da Tijuca e no Complexo Esportivo de Deodoro. A medida foi adotada após apurações administrativas realizadas pelo Ministério dos Esportes e pela AGLO apontarem falhas na construção das instalações, que foram utilizadas nas Olimpíadas de 2016.

Os dados que serão fornecidos incluem informações financeiras, contratos de obras e serviços, orçamentos, licitações, projeto básico e executivo e licenças são fundamentais para a gestão e manutenção das instalações, inclusive para o devido licenciamento das arenas olímpicas junto ao Corpo de Bombeiros.

Os órgãos têm prazo de 30 dias, após intimados, para entregar os documentos. A determinação é da 17° Vara Federal do Rio de Janeiro e atende a uma ação civil pública ajuizada pela União e pela Autoridade de Governança do Legado Olímpico (AGLO).

Além da documentação, a AGU também pede a reparação de irregularidades de construção encontradas nos imóveis. Como também, que os réus sejam condenados a ressarcir os cofres públicos pelos prejuízos causados.

Falhas

Investigações apontaram mais de 1500 falhas de construção, como uso de materiais de má qualidade, infiltrações, rachaduras, problemas em instalações elétricas e corrosão em estruturas metálicas. Há registro, inclusive, de incêndio no velódromo.

O magistrado que analisou o pedido concordou com a AGU de que há responsabilidade do município do Rio de Janeiro, em virtude do Termo de Cessão das arenas assinado com a União, onde se comprometeu a fornecer toda a documentação relativa aos equipamentos olímpicos e às obras.

Para o procurador federal Danilo Sarmento Ferreira, da Procuradoria-Regional Federal da 2° Região, a medida beneficia toda a sociedade. Segundo ele, a ideia principal das Olimpíadas, além do evento esportivo em si, era de deixar um legado para o país, o que justificou o aporte de recursos federais do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para a realização das obras.

“Há um projeto de legado que depende efetivamente que os equipamentos estejam em perfeito uso, para tanto, foram repassados recursos de ordem municipal, estadual e federal. A importância para a sociedade é que todos os recursos efetivamente despendidos tenham, afinal, uma destinação própria e para isso os bens têm de estar em condições perfeitas de uso”, afirma o procurador federal.

Na ação civil pública, a União e a Autoridade de Governança do Legado Olímpico, autarquia federal temporária, foram representadas pela Procuradoria Regional da União da 2ª Região e pela Procuradoria Regional Federal da 2ª Região, órgãos da AGU.

Processo: 5025453-73.2019.4.02.5101

Renato Ribeiro


 
« Notícia anterior