Procuradoria obtém bloqueio de bens de acusados de desviar verba de bolsa de pesquisa

Imprimir: Procuradoria obtém bloqueio de bens de acusados de desviar verba de bolsa de pesquisa Compartilhamento: Procuradoria obtém bloqueio de bens de acusados de desviar verba de bolsa de pesquisa Procuradoria obtém bloqueio de bens de acusados de desviar verba de bolsa de pesquisa Procuradoria obtém bloqueio de bens de acusados de desviar verba de bolsa de pesquisa Procuradoria obtém bloqueio de bens de acusados de desviar verba de bolsa de pesquisa
Publicado : 18/06/2019 - Atualizado às : 13:22:08

Imagem: Ascom/AGU
Imagem: Ascom/AGU

A Advocacia-Geral da União (AGU) obteve na Justiça o bloqueio de bens de 12 acusados de desviar verbas destinadas a bolsas de estudo na Universidade Federal do Paraná (UFPR). Entre os acusados está uma ex-chefe do setor de Orçamento e Finanças da instituição de ensino que era responsável por conceder os auxílios a pessoas que não possuíam qualquer vínculo com a universidade.  

Inicialmente, a 5ª Vara Federal do Paraná havia negado o pedido de bloqueio de bens da AGU, entendendo que a comprovação das irregularidades ainda estava em andamento no âmbito do Tribunal de Contas da União (TCU). Mas a Advocacia-Geral recorreu ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Por meio da Procuradoria-Regional Federal da 4ª Região, a AGU lembrou que as irregularidades foram apuradas durante a “Research”, operação da Polícia Federal deflagrada em 2017, e que tomada de contas do TCU constatou que o montante total de recursos desviados foi de R$ 7 milhões, distribuídos entre 27 beneficiários sem vínculo com a universidade – alguns inclusive sem ensino fundamental completo.

A unidade da AGU assinalou que a falta de uma decisão definitiva por parte do TCU não afasta a gravidade dos fatos, tampouco a necessidade de determinar o bloqueio de bens – em especial se levada em consideração a notória a dificuldade que os órgãos que atuam no combate à corrupção enfrentam para recuperar recursos públicos desviados ou mal geridos. “Por essa razão, doutrina e jurisprudência têm voltado suas atenções para o estudo e aplicação de instrumentos e mecanismos que garantam efetividade às ações de ressarcimento e recomposição ao erário, por se tratar de matéria de interesse de toda a coletividade”, argumentou a procuradoria.

O pedido de bloqueio de bens foi acolhido pela desembargadora federal Vânia Hack de Almeida, do TRF4.

Referência: Processo nº 5022719-72.2019.4.04.0000/PR – TRF4.


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »