Mendonça defende atuação conjunta entre instituições em casos de grande repercussão

Imprimir: Mendonça defende atuação conjunta entre instituições em casos de grande repercussão Compartilhamento: Mendonça defende atuação conjunta entre instituições em casos de grande repercussão Mendonça defende atuação conjunta entre instituições em casos de grande repercussão Mendonça defende atuação conjunta entre instituições em casos de grande repercussão Mendonça defende atuação conjunta entre instituições em casos de grande repercussão
Publicado : 30/04/2019 - Atualizado às : 23:39:23

Foto: Gil Ferreira/Agência CNJ
Foto: Gil Ferreira/Agência CNJ

O advogado-geral da União, André Mendonça, destacou nesta terça-feira (30/04) a importância de as instituições do sistema judicial atuarem em conjunto para dar respostas rápidas a incidentes como o do rompimento da barragem de Brumadinho (MG). As declarações foram dadas no Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília, durante o lançamento do site do Observatório Nacional sobre Questões Ambientais, Econômicas e Sociais de Alta Complexidade e Grande Impacto e Repercussão.

O observatório é uma iniciativa conjunta do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) que tem como objetivo estimular a celeridade na resolução de casos de grande repercussão social e alta complexidade.

“As instituições de Justiça, através desse trabalho do CNJ e do CNMP, dão um passo importante para colocar luz sobre nós. Não a luz do holofote, mas a do olhar da sociedade para que venhamos a dar respostas o mais rápido e eficiente possível”, observou o advogado-geral.

Mendonça lembrou, também, que a AGU acionou a Justiça para que operadoras de telefone fornecessem dados sobre sinais de celulares das vítimas do rompimento da barragem – o que foi decisivo para Corpo de Bombeiros encontrar desaparecidos. E assinalou que a Advocacia-Geral já trabalha em conjunto com outras instituições para que a Vale refaça seu programa de integridade para evitar novas tragédias. “A Vale já se comprometeu a adaptar seu programa de integridade e a se submeter a constantes fiscalizações. A lei brasileira não impõe isso, mas as instituições estão trabalhando em harmonia para construir o melhor possível para recomposição dos prejuízos das vítimas e seus familiares”, concluiu.


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »