Tese da AGU contra poder público pagar dívida trabalhista de empresa prevalece no TST

Imprimir: Tese da AGU contra poder público pagar dívida trabalhista de empresa prevalece no TST Compartilhamento: Tese da AGU contra poder público pagar dívida trabalhista de empresa prevalece no TST Tese da AGU contra poder público pagar dívida trabalhista de empresa prevalece no TST Tese da AGU contra poder público pagar dívida trabalhista de empresa prevalece no TST Tese da AGU contra poder público pagar dívida trabalhista de empresa prevalece no TST
Publicado : 11/01/2019 - Atualizado às : 13:13:38

Imagem: Wesley Mcallister/AscomAGU
Imagem: Wesley Mcallister/AscomAGU

A administração pública não pode ser obrigada a pagar dívida trabalhista de empresa contratada se fiscalizou de forma adequada a execução do contrato. Essa é a tese que a Advocacia-Geral da União conseguiu confirmar mais uma vez na Justiça, desta vez no Tribunal Superior do Trabalho (TST).

A atuação ocorreu após o Instituto Federal de Rondônia (IFRO) ser condenado a pagar verbas trabalhistas devidas por empresa terceirizada contratada pela instituição para realizar serviços de manutenção.

Representando o instituto, a AGU recorreu da decisão, mas ele foi inicialmente negado pela 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região (TRT14). Em seguida, a Equipe Regional de Matéria Trabalhista da Procuradoria-Regional Federal da 1ª Região (PRF1) – unidade da AGU que atuou no caso – impetrou agravo de instrumento com recurso de revista, sustentando que o acórdão exarado contrariava diretamente a jurisprudência sedimentada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a respeito da matéria.

A AGU destacou que o entendimento do STF veda a responsabilização automática da administração pública, só cabendo sua condenação se houver prova inequívoca de sua conduta omissiva ou comissiva na fiscalização dos contratos – o que não ocorreu no caso, uma vez que o instituto, pontuaram os procuradores, cumpriu suas obrigações contratuais tanto na fiscalização do contrato quanto no pagamento à empresa.

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) acolheu os argumentos da Advocacia-Geral e deu provimento ao agravo e ao recurso de revista, excluindo a responsabilidade subsidiária do instituto.

Efeito

Segundo o procurador federal Vinícius Loureiro, responsável pela Equipe Regional de Matéria Trabalhista da PRF1, o resultado pode gerar um efeito positivo no julgamento de outras causas semelhantes. “O efeito principal desta decisão é que ela reafirma a tese na instância do TST, de forma que as instâncias inferiores observem esse entendimento, gerando economia para o poder público”, pontuou.

Referência: Recurso Ordinário nº 0000238-92.2017.5.14.0071-RO – TST.

Luiz Flávio Assis Moura


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »