Pagamento de benefício assistencial depende de laudo que comprove miserabilidade

Imprimir: Pagamento de benefício assistencial depende de laudo que comprove miserabilidade Compartilhamento: Pagamento de benefício assistencial depende de laudo que comprove miserabilidade Pagamento de benefício assistencial depende de laudo que comprove miserabilidade Pagamento de benefício assistencial depende de laudo que comprove miserabilidade Pagamento de benefício assistencial depende de laudo que comprove miserabilidade
Publicado : 14/09/2016 - Atualizado às : 18:55:09

Foto: Wesley Mcallister/AscomAGU
Foto: Wesley Mcallister/AscomAGU

O critério de renda previsto em lei para o pagamento de assistência social a pessoa com deficiência ou idosa cuja família não tenha condições de manter seu sustento só pode ser afastado pela Justiça se laudo socioeconômico comprovar a miserabilidade. Foi o que a Advocacia-Geral da União (AGU) demonstrou junto à Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais (TNU/JEF).

A atuação ocorreu após decisões do Juizado Especial Federal da Paraíba e da Turma Recursal do Juizado Especial Federal na Paraíba acolherem pedido para condenar o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a pagar benefício assistencial a segurado, entendendo que os requisitos de miserabilidade foram preenchidos, uma vez que a renda per capita da família era inferior a meio salário mínimo.

Contudo, a Procuradoria Federal na Paraíba (PF/PB), unidade da AGU que atuou no caso, recorreu à Turma Nacional explicando que o critério utilizado para fundamentar as decisões não poderia ser adotado. Isso porque o Supremo Tribunal Federal (STF) e a própria Turma Nacional já haviam admitido que a exigência prevista em lei para que o pagamento seja devido – o de que a renda per capita familiar não ultrapasse um quarto de salário mínimo – pode ser afastado, mas somente se laudo socioeconômico comprovar a situação de miserabilidade. Em nenhum momento, alertaram as procuradorias, foi autorizada a utilização de critério objetivo diferente do previsto na lei, como o de meio salário mínimo adotado na decisão recorrida.

Precedente

Os argumentos foram acolhidos pela TNU/JEF, que determinou que o processo retorne à Turma Recursal do Juizado Especial Federal na Paraíba para que as condições socioeconômicas do autor da ação sejam analisadas antes do INSS ser condenado a pagar o benefício. O entendimento também deverá ser aplicado a outros casos semelhantes tramitando na Justiça Federal. “A decisão reforça a necessidade de implantação, em todas as varas do Juizado Especial na Paraíba, da realização prévia de estudo socioeconômico nesses processos”, observa o procurador federal Márcio Piquet da Cruz, que atua na área previdenciária.

O procurador-chefe da PF/PB, Aluizo de Lucena, faz análise semelhante. “Foi uma vitória importante na defesa do INSS e poderá servir como ‘leading case’ no âmbito do juizado especial quanto à vedação de utilização de outro critério objetivo de miserabilidade para fins de concessão de benefício assistencial”, conclui.

A PF/PB é unidade da Procuradoria-Geral Federal, órgão da AGU.

Ref.: Processo nº 05027577220144058202 – TNU/JEF.

Raphael Bruno


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »