AGU comprova no STF constitucionalidade de jornada diferenciada para bombeiro civil

Imprimir: AGU comprova no STF constitucionalidade de jornada diferenciada para bombeiro civil Compartilhamento: AGU comprova no STF constitucionalidade de jornada diferenciada para bombeiro civil AGU comprova no STF constitucionalidade de jornada diferenciada para bombeiro civil AGU comprova no STF constitucionalidade de jornada diferenciada para bombeiro civil AGU comprova no STF constitucionalidade de jornada diferenciada para bombeiro civil
Publicado : 14/09/2016 - Atualizado às : 18:09:23

Foto: Governo de Pernambuco
Foto: Governo de Pernambuco

A Advocacia-Geral da União (AGU) demonstrou, no Supremo Tribunal Federal (STF), a constitucionalidade do artigo 5 da Lei nº 11.901/09, que estabelece para o bombeiro civil jornada de 12 horas de trabalho seguidas por 36 de descanso. O dispositivo foi questionado pela Procuradoria-Geral da República, que alegava que ele autorizava jornada diária maior do que a permitida pela Constituição em uma atividade de risco e que, portanto, afrontaria o direito à saúde.

Em manifestação encaminhada ao STF, a Advocacia-Geral destacou que a jornada semanal fixada pela lei – 36 horas – é inferior ao limite de 44 horas semanais estabelecido pela Constituição e mais benéfica para os bombeiros. “O número de horas semanais desses trabalhadores é inferior ao habitual, o que inegavelmente favorece o empregado. Em outros termos, a norma questionada não resulta em riscos ou prejuízos aos trabalhadores dessa categoria”, afirmou a AGU.

Também foi lembrado que o próprio Supremo já havia reconhecido, em julgamentos anteriores, a possibilidade do regime de trabalho excepcional. E que a jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho (TST) também entende que a jornada diferenciada é compatível com a Constituição.

Por votos da maioria dos ministros, o plenário do Supremo considerou a norma constitucional e julgou improcedente a ação da PGR.

Atuou no caso a Secretaria-Geral de Contencioso, órgão da AGU que representa a União no STF.

Ref.: ADI nº - 4842.

Raphael Bruno


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »