DNIT pode aplicar multas por excesso de velocidade em rodovias federais

Imprimir: DNIT pode aplicar multas por excesso de velocidade em rodovias federais Compartilhamento: DNIT pode aplicar multas por excesso de velocidade em rodovias federais DNIT pode aplicar multas por excesso de velocidade em rodovias federais DNIT pode aplicar multas por excesso de velocidade em rodovias federais DNIT pode aplicar multas por excesso de velocidade em rodovias federais
Publicado : 27/07/2016 - Atualizado às : 15:53:02

Foto: www.capeladoalto.sp.gov.br
Foto: www.capeladoalto.sp.gov.br

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) tem competência para aplicar multas por excesso de velocidade. Essa foi a decisão da Justiça Federal de Paragominas (PA) após a Advocacia-Geral da União (AGU) demonstrar que a atribuição está prevista no Código de Trânsito Brasileiro.

Uma condutora acionou a Justiça pleiteando a suspensão de quatro autos de infração e da respectiva pontuação atribuída a sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH) decorrentes de multas aplicadas pelo Dnit por dirigir em velocidade superior à permitida em rodovias. Ela alegou incompetência do órgão para aplicação de multas, cerceamento dos direitos de ampla defesa e contraditório e falta de sinalização nos locais de fiscalização.

Contudo, a Procuradoria Federal no Estado do Pará (PF/PA) e a Procuradoria Federal Especializada junto ao DNIT (PFE/Dnit) demonstraram que a competência da autarquia para aplicar multas por excesso de velocidade detectado por equipamentos eletrônicos de medição instalados em rodovias federais está de acordo com a Lei nº 10.233/2001.

A legislação atribuiu ao DNIT, em sua esfera de atuação, exercer as competências do artigo 21 do Código de Trânsito Brasileiro, dentre as quais “executar a fiscalização de trânsito, autuar, aplicar as penalidades de advertência, por escrito, e ainda as multas e medidas administrativas cabíveis, notificando os infratores e arrecadando as multas que aplicar”. 

Além disso, os procuradores apontaram que a infratora não comprovou o não cometimento das infrações, “razão pela qual deveria ser dada prevalência à presunção de legalidade e legitimidade que gozam os atos administrativos do DNIT”. 

As procuradorias defenderam, ainda, a regularidade do processo administrativo e a desnecessidade de instalação de sinalização em todo o percurso da rodovia, conforme jurisprudência.

Perda do objeto

Outro ponto levantado pelos procuradores federais foi a parcial e superveniente falta de interesse de agir da condutora, uma vez que o próprio Dnit havia cancelado, de ofício, três dos quatro autos de infração aplicados. 

A Subseção Judiciária de Paragominas acolheu os argumentos da AGU e reconheceu a competência do Dnit para aplicar multas decorrentes de excesso de velocidade, bem como declarou a extinção parcial do processo sem resolução de mérito pela perda do objeto da ação em relação aos três autos de infração anulados de ofício pela autarquia.

A PF/PA e a PFE/DNIT são unidades da Procuradoria-Geral Federal (PGF), órgão da Advocacia-Geral da União (AGU).

Ref.: Processo nº 143-18.2015.4.01.3906 - Subseção Judiciária de Paragominas

Laís do Valle


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »