AGU obtém condenação de infrator que causou danos ambientais em parque nacional

Imprimir: AGU obtém condenação de infrator que causou danos ambientais em parque nacional Compartilhamento: AGU obtém condenação de infrator que causou danos ambientais em parque nacional AGU obtém condenação de infrator que causou danos ambientais em parque nacional AGU obtém condenação de infrator que causou danos ambientais em parque nacional AGU obtém condenação de infrator que causou danos ambientais em parque nacional
Publicado : 24/03/2016 - Atualizado às : 15:39:38

Foto: Halley Pacheco de Oliveira/wikipedia.org
Foto: Halley Pacheco de Oliveira/wikipedia.org
A Advocacia-Geral da União (AGU) obteve a condenação de infrator que causou danos ambientais no Parque Nacional da Serra da Bocaina, em Paraty (RJ). O homem havia sido autuado em 1999 por promover obras de escavação que comprometeram o solo próximo à nascente d`água, além de introduzir no ecossistema local planta exótica extremamente agressiva à flora local.

O infrator havia sido condenado em primeira instância no âmbito de ação civil pública ajuizada pela AGU. A decisão determinou que ele fosse obrigado a demolir as construções irregulares que havia erguido e remover entulhos e espécies vegetais introduzidas indevidamente, além de pagar indenização de R$ 50 mil pelos danos ambientais irreversíveis.

Inconformado, o réu recorreu ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), onde os procuradores federais que atuaram no caso argumentaram que a decisão deveria ser mantida. Os advogados públicos lembraram que o artigo 225 da Constituição Federal impõe ao poder público e à coletividade o dever de defender e preservar o meio ambiente, inclusive com a aplicação de sanções aos autores de condutas lesivas.

O tribunal acolheu os argumentos da AGU e manteve, na íntegra, as determinações do juízo de primeira instância. A decisão observou que a conduta irregular do infrator e os danos causados ao meio ambiente foram devidamente comprovados nos autos do processo e que o dever de reparar está previsto na Constituição.

Atuaram no caso a Procuradoria Federal Especializada Junto ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (PFE/ICMBio), o Escritório de Representação da Procuradoria-Geral Federal em Volta Redonda e a Procuradoria-Regional Federal da 2ª Região, unidades da AGU.

Ref.: Ação Civil Pública nº 0000534-56.2011.4.02.5111 - 6ª Turma Especializada do TRF2.

Raphael Bruno
 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »