Mantida desclassificação de proposta de empresa por ausência de comprovação de especialização na execução do objeto licitado

Imprimir: Mantida desclassificação de proposta de empresa por ausência de comprovação de especialização na execução do objeto licitado Compartilhamento: Mantida desclassificação de proposta de empresa por ausência de comprovação de especialização na execução do objeto licitado Mantida desclassificação de proposta de empresa por ausência de comprovação de especialização na execução do objeto licitado Mantida desclassificação de proposta de empresa por ausência de comprovação de especialização na execução do objeto licitado Mantida desclassificação de proposta de empresa por ausência de comprovação de especialização na execução do objeto licitado
Publicado : 20/07/2011 - Atualizado às : 12:08:35
A Procuradoria Regional Federal da 1ª Região (PRF1) e a Procuradoria Federal junto ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (PF/CNPq) obtiveram decisão favorável no mandado de segurança nº 15493-51.2011.4.01.3400.

A empresa IT Alimentos Ltda. EPP impetrou mandado de segurança contra ato da Pregoeira e do Diretor de Administração, Finanças e Planejamento do CNPq que desclassificou sua proposta do Pregão Eletrônico nº 02/2011, que tem por objeto a prestação de serviços especializados de locação de veículos automotores de pequeno porte, providos de condutores habilitados.

No mandamus, alegou a empresa que, após ter se sagrado vencedora na sessão ocorrida em 24 de dezembro de 2010, as autoridades impetradas desclassificaram sua proposta, sob o argumento de que a mesma não teria apresentado os atestados de qualificação técnica exigido no subitem 6.1.4, "k" do edital e pela disparidade entre a atividade econômica desenvolvida pela empresa e o objeto do certame.

Afirmando que apresentou atestado de capacidade técnica fornecido pelo ICMBio e que a atividade de locação de veículos estaria devidamente cadastrada como atividade exercida pela empresa, a impetrante pleiteou, em sede de liminar, que fosse suspenso o pregão eletrônico, bem como a contratação e início da execução do objeto licitado.

Ao analisar os argumentos apresentados pelo CNPq no processo administrativo, o Juízo da 13ª Vara concluiu que a autarquia tinha razão em recusar a proposta da impetrante, principalmente porque a empresa não teria fornecido atestado de qualificação técnica que apresentasse equivalência com o objeto licitado, entendendo que "o simples fato de já ter firmado contrato com a administração pública relativo a serviço de locação de veículos com motorista não a torna, ipso facto, especializada em tais serviços".

O magistrado também levou em consideração que apesar de constar a locação de veículos dentre o vasto rol de atividades que integram o objeto social da empresa, suas atribuições estariam ligadas ao ramo de alimentos, o que descaracterizaria sua especialização na prestação de serviços de locação de veículos automotores. Assim, indeferiu o pedido de liminar, entendendo legítima a decisão que desclassificou a impetrante.

A PRF 1ª Região e a PF/CNPq são unidades da Procuradoria-Geral Federal (PGF), órgão da Advocacia-Geral da União (AGU).
 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »