AGU obtém bloqueio de bens de acusados de irregularidades no uso de verbas do Incra

Imprimir: AGU obtém bloqueio de bens de acusados de irregularidades no uso de verbas do Incra Compartilhamento: AGU obtém bloqueio de bens de acusados de irregularidades no uso de verbas do Incra AGU obtém bloqueio de bens de acusados de irregularidades no uso de verbas do Incra AGU obtém bloqueio de bens de acusados de irregularidades no uso de verbas do Incra AGU obtém bloqueio de bens de acusados de irregularidades no uso de verbas do Incra
Publicado : 29/04/2020 - Atualizado às : 16:00:13

A Advocacia-Geral da União (AGU) obteve na Justiça o bloqueio de mais de R$ 2,3 milhões em bens de servidores do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), de representantes da Associação do Assentamento Virgulino Ferreira no município de Serra Talhada (Pernambuco) e de uma empresa local. Eles são acusados de irregularidades no uso de verbas públicas disponibilizadas para a compra de material de construção aos assentados. 

De acordo com a AGU, a empresa selecionada para fornecer os produtos não possuía como atividade principal ou secundária o comércio de materiais de construção. A escolha da fornecedora é feita pelos próprios assentados depois de pesquisa de preços e em seguida devem ser submetida à análise da Comissão de Crédito do INCRA; mas isso não ocorreu. 

A análise da prestação de contas verificou também que os valores constantes no plano de Aplicação dos créditos eram superiores aos da proposta da empresa vencedora e semelhantes aos preços sugeridos pela empresa que havia ficado em segundo lugar na concorrência. 

A AGU demonstrou, ainda, que os pagamentos foram liberados antes da entrega dos materiais. Foram pagas duas notas fiscais que totalizaram R$ 2,137 milhões e, no entanto, cerca de R$ 617 mil em produtos não foram entregues aos assentados.

“As condutas ilegais praticadas pelos gestores da Superintendência Regional do Incra à época comprometeram a própria política pública que se pretendeu implementar no âmbito da reforma agrária, com prejuízo direto e imediato aos assentados que não tiveram suas habitações concluídas”, ressalta a Procuradora Federal que atuou no caso, Juliana Barbosa Antunes.

A 18ª Vara Federal de Pernambuco atendeu ao pedido da AGU e determinou o bloqueio de veículos e valores disponíveis nas contas bancárias dos envolvidos até o término do processo. “O deferimento do pedido de bloqueio dos bens dos agentes públicos e dos terceiros que contribuíram ou se beneficiaram dos atos de improbidade administrativa praticados, mostra-se fundamental na tentativa de se garantir o ressarcimento do dano causado”, acrescenta a Procuradora Federal Juliana Barbosa Antunes. 

 

 


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »