AGU sedia reunião para discutir atuação no leilão do excedente da cessão onerosa

Imprimir: AGU sedia reunião para discutir atuação no leilão do excedente da cessão onerosa Compartilhamento: AGU sedia reunião para discutir atuação no leilão do excedente da cessão onerosa AGU sedia reunião para discutir atuação no leilão do excedente da cessão onerosa AGU sedia reunião para discutir atuação no leilão do excedente da cessão onerosa AGU sedia reunião para discutir atuação no leilão do excedente da cessão onerosa
Publicado : 31/10/2019 - Atualizado às : 15:52:55

A Advocacia-Geral da União (AGU) sedia nesta quinta-feira (31/10) uma reunião técnica preparatória para garantir que a Rodada de Licitações do excedente da cessão onerosa em áreas do pré-sal, marcada para o dia 6/10, ocorra sem empecilhos judiciais. “Temos pela frente o maior leilão da história e uma expectativa muito grande de investimento direto que pode ser gerado a partir dele. De talvez, mais de R$ 1 trilhão”, afirmou o advogado-geral da União, André Mendonça, durante a abertura da reunião.  

O evento, que conta a participação de membros da AGU e representantes da Agência Nacional do Petróleo (ANP) e do Ministério de Minas e Energia (MME), tem o objetivo de discutir estratégias no enfrentamento de possíveis questionamentos judiciais que possam surgir e prejudicar o sucesso do leilão.  “Que a AGU possa colaborar, como tem colaborado, na construção desse leilão que, tenho certeza, será um marco para a ANP e para o país. O nosso papel é auxiliá-los e dar segurança para que esse trabalho seja bem feito”, afirmou o advogado-geral. 

Atualmente, mais de 115 membros da AGU estão trabalhando em todo país em regime de plantão para que nenhuma intercorrência judicial aconteça.  Alguns desses membros fazem parte da força-tarefa criada no âmbito da AGU para garantir investimentos em políticas públicas de infraestrutura.

Até o momento, não existem empecilhos judiciais capazes de impedir o leilão. “Estamos em alerta. É importante que a gente concretize essa política pública que é importante para o Brasil como um todo, em termos de arrecadação, geração de empregos e investimento”, afirmou procurador-chefe da ANP, Evandro Caldas. “Hoje a gente vê, infelizmente, um uso abusivo da precaução que chega a ser paralisante. A gente tem que entender que atividades econômicas são importantes, inclusive para o meio ambiente, porque traz riqueza e recursos para que o Estado possa atuar contra ilícitos”, acrescentou.

Treinamento

“Essa é uma reunião em que todo corpo técnico da ANP traz para o corpo jurídico da AGU especificações e mais detalhes para que possamos bem atuar durante todo o leilão e durante todo o processo de cessão onerosa diante da Justiça Federal”, explicou o subprocurador-geral federal Avio Brito. “Toda a população brasileira será beneficiada coma realização do leilão. É uma política pública eleita como prioritária tanto pelo Estado brasileiro, como pelo governo e AGU. São recursos que entram que podem beneficiar toda a população brasileira”, acrescentou.

“É um trabalho conjunto”, afirmou a consultora jurídica do MME, Thais Lacerda. “Nós já elaboramos as bases da defesa da União que a Conjur entende que pode auxiliar os colegas e isso já foi disponibilizado.  Só que agora eles têm que ter esse treinamento para que tudo que já escrevemos e as informações que estamos ouvindo hoje possam se somar ao caso concreto”, concluiu. 

Excedente da cessão onerosa

Criada em 2010, a operação da cessão onerosa trata de blocos cedidos pela União à Petrobras para o exercer direito de atividades de exploração e produção em áreas do pré-sal, limitadas ao volume máximo de 5 bilhões de barris de petróleo equivalente (boe). Durante a exploração foram descobertos volumes recuperáveis de hidrocarbonetos acima do previsto em contrato, principalmente nos Campos de Atapu, Búzios, Itapu e Sépia, sendo denominados por volumes excedentes da cessão onerosa.


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »