AGU assegura extinção de processo que pretendia suspender venda de refinarias

Imprimir: AGU assegura extinção de processo que pretendia suspender venda de refinarias Compartilhamento: AGU assegura extinção de processo que pretendia suspender venda de refinarias AGU assegura extinção de processo que pretendia suspender venda de refinarias AGU assegura extinção de processo que pretendia suspender venda de refinarias AGU assegura extinção de processo que pretendia suspender venda de refinarias
Publicado : 30/09/2019 - Atualizado às : 11:13:04

Foto: petrobras
Foto: petrobras

Atuando como assistente da Petrobras, a Advocacia-Geral da União (AGU) obteve a extinção de processo movido na Justiça Federal do Ceará para pedir a suspensão das operações de venda de oito refinarias de petróleo até que o Supremo Tribunal Federal (STF) concluísse um julgamento sobre o assunto.

O autor do pedido alegava que as vendas precisavam ser previamente autorizadas pelo Poder Legislativo, conforme havia decidido liminarmente o ministro Ricardo Lewandowski, do STF, no ano passado. As refinarias cuja venda foi aprovada pelo Conselho de Administração da Petrobras são: Abreu e Lima (RNET), Unidade de Industrialização de Xisto (SIX), Landulfo Alves (RLAM), Gabriel Passos (REPAG), Presidente Getúlio Vargas (REPAR), Alberto Pasqualini (REFAP) e Isaac Sabbá (REMAN).

A AGU pediu para ser incluída no processo na condição de assistente litisconsorcial da empresa petrolífera, o que foi aceito pelo juízo. Nos autos, a Advocacia-Geral defendeu que a ação popular deveria ser considerada improcedente uma vez que as vendas são necessárias para a manutenção da sustentabilidade econômico-financeira.

Segundo o procurador-chefe da União no Ceará, José Salvador de Paiva Cordeiro, as vendas fazem parte de movimento feito pela empresa para recuperar sua capacidade de investimentos, reposicionando-se em diversos negócios da qual faz parte por meio do Plano de Parcerias e Desinvestimentos.

“A paralisação das atividades programadas com a suspensão das refinarias pela Petrobrás afetaria diretamente os resultados esperados para a empresa, e por consequência, a expectativa de ajuste fiscal da administração pública”, afirmou. Segundo o advogado da União, o cenário de ajustes revela a importância da continuidade dos processos de venda, que trarão reflexos positivos à Petrobras e ao país.

“A natureza dos problemas que a empresa enfrenta e a recente alteração de rumos na gestão das contas públicas impõem que se evite a lógica de aportes sucessivos. É na solução dos problemas internos da empresa que seu saneamento deverá ser construído tendo em vista o longo prazo e beneficiando não apenas aqueles que utilizam os seus serviços, mas toda a sociedade e os contribuintes brasileiros”, explicou.

Teto de gastos

A Advocacia-Geral também assinalou que as vendas são necessárias para que o governo federal não seja forçado a realizar novos aportes de recursos na estatal, considerando que o teto dos gastos públicos impõe à União um rigoroso ajuste fiscal.

Em contestação apresentada nos autos, a Petrobras também pediu a improcedência da ação popular, argumentando que a ação já havia perdido o objeto. Isso porque em junho deste ano o plenário do STF concluiu o julgamento no qual entendeu não ser necessária autorização do Congresso Nacional para a vendas de subsidiárias e controladas das empresas públicas e sociedades de economia mista.

Concordando com os argumentos da União e da estatal, a 6ª Vara Federal do Ceará reconheceu a perda superveniente do interesse processual e extinguiu o processo sem a resolução do mérito.

Além da Procuradoria da União no Ceará e da gerência jurídica da Petrobras, atuaram no caso a Procuradoria-Regional da União da 5ª Região e Consultoria Jurídica junto ao então Ministério do Planejamento.

Referência: Processo nº 0806678-05.2019.4.05.8100 – Justiça Federal do Ceará

Paulo Victor da Cruz Chagas


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »