Procuradores defendem novos modelos de cobrança de valores devidos ao erário

Imprimir: Procuradores defendem novos modelos de cobrança de valores devidos ao erário Compartilhamento: Procuradores defendem novos modelos de cobrança de valores devidos ao erário Procuradores defendem novos modelos de cobrança de valores devidos ao erário Procuradores defendem novos modelos de cobrança de valores devidos ao erário Procuradores defendem novos modelos de cobrança de valores devidos ao erário
Publicado : 14/08/2019 - Atualizado às : 14:34:05

Tornar a atuação da administração pública direta e indireta mais inteligente na cobrança de dívidas, obtendo maior recuperação de valores e evitando o ajuizamento inócuo de ações. Foi o que defenderam o coordenador-geral de Cobrança e Recuperação de Créditos da Procuradoria-Geral Federal (PGF), Fábio Munhoz, e o coordenador-geral de Estratégias e Recuperação de Créditos da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), João Henrique Grognet, durante palestras no seminário Dívida Ativa dos Conselhos Profissionais, realizado em Brasília na segunda-feira.

Fábio Munhoz destacou os projetos que a Procuradoria-Geral Federal está implantando para aumentar a efetividade da arrecadação, de proposições legislativas que vão ao encontro do que a PGFN já vem aplicando para diminuir a obrigatoriedade de ajuizamento de todas as Certidões de Dívida Ativa (CDA) à utilização de mecanismos extrajudiciais, como o protesto em cartório.

Segundo o procurador federal, a criação de grupos especializados de atuação desterritorializada, como a Equipe Nacional de Cobrança (Enac) e as equipes de Cobrança Judicial, aprimorou o trabalho de recuperação de créditos. “Houve um aumento exponencial dos valores inscritos em dívida ativa em 2018, sendo que a execução fiscal de um ano para o outro foi praticamente a mesma. E a arrecadação também aumentou de maneira significativa, praticamente dobrou de 2017 a 2018. O que demonstra que a gestão de forma centralizada, principalmente da cobrança extrajudicial, que é onde há maior aumento da recuperação do crédito público, vale muito a pena”, explicou.

Uma mudança relevante que auxiliou esse processo foi feita em dezembro de 2018, com a edição de uma portaria aumentando o piso para o ajuizamento de execuções fiscais. Os órgãos da PGF não são mais obrigados a inscreverem em dívida ativa valores abaixo de R$ 10 mil. Gerir os créditos das 164 entidades representadas pela Procuradoria-Geral Federal é outro avanço que será garantido nos próximos meses, por meio de um sistema único de gestão de crédito público, o Arco, que segundo Munhoz vai “mudar totalmente” a sistemática adotada, permitindo o aumento de produtividade e um intercâmbio maior de informações com outros sistemas.

“A gente também criou o e-CAC da AGU, que é um sistema que prevê a possibilidade de o devedor acessar informações dos seus débitos com a Advocacia-Geral da União, fazer simulação e solicitação de parcelamento, antecipação do pagamento de parcelas, consultar memória de cálculo e gerar a GRU de pagamento, da sua casa”, acrescentou. Outra “mudança total de paradigmas” destacada pelo procurador, caso seja aprovada, é o projeto de lei que irá condicionar o ajuizamento das ações de execução fiscal à prévia verificação de indícios de que os devedores realmente possuem bens, direitos ou atividade econômica que satisfaçam a quitação dos débitos.

Inteligência

A seletividade desses ajuizamentos, levando em conta o potencial de recuperação dos valores, já é aplicada pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, como expôs o procurador da Fazenda Nacional João Henrique Grognet. Segundo ele, o novo modelo de cobrança da PGFN envolve três pontos: inteligência fiscal, fortalecimento dos mecanismos de cobrança e revisão dos processos de trabalho.

Com base em instrumentos mais eficazes de monitoramento patrimonial, foi possível selecionar melhor os possíveis alvos de execuções fiscais. “A gente passou a protestar [extrajudicialmente] muito mais, e de maneira muito mais inteligente, escolhendo grupos específicos de atividade econômica. De 2016 a 2018, essa estratégia cresceu 159%. Também fazemos notificação por carta parametrizada, endereçada a pessoas com poderes de gestão ou influência. Isso quer dizer que não somente o devedor, mas um conselho fiscal, diretoria, síndicos ou proprietários também ficam sabendo do débito”, disse.

O coordenador de Estratégias e Recuperação de Créditos da PGFN também citou iniciativas como o canal de denúncias patrimoniais e o Grupo de Operações Especiais, criado para investigar devedores considerados com baixo potencial de pagamento.

Organizado pelo Conselho Nacional de Justiça, o seminário reuniu em Brasília representantes de conselhos profissionais espalhados pelo país, que costumam ajuizar execuções fiscais a integrantes inadimplentes. O advogado-geral da União, André Mendonça, participou da abertura do evento.

Paulo Victor da Cruz Chagas


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »