AGU assegura aplicação de norma da Anvisa que restringe aditivos em cigarros

Imprimir: AGU assegura aplicação de norma da Anvisa que restringe aditivos em cigarros Compartilhamento: AGU assegura aplicação de norma da Anvisa que restringe aditivos em cigarros AGU assegura aplicação de norma da Anvisa que restringe aditivos em cigarros AGU assegura aplicação de norma da Anvisa que restringe aditivos em cigarros AGU assegura aplicação de norma da Anvisa que restringe aditivos em cigarros
Publicado : 12/08/2019 - Atualizado às : 13:32:55

Imagem: brasil.gov.br
Imagem: brasil.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) conseguiu assegurar a aplicação da norma da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que limita a utilização de aditivos de aroma e sabor em cigarros.

A AGU acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) após uma decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) permitir a utilização de algumas substâncias que dão aroma e sabor ao tabaco no âmbito de ação ajuizada pela Indústria Brasileira de Cigarros (IBC), questionava a Resolução nº 14/2012 da Anvisa – que limitou a produção e comercialização dos aditivos.

Por meio da Procuradoria Federal junto à Anvisa, a AGU propôs uma reclamação constitucional lembrando que a decisão do TRF1 contrariava entendimento manifestado pelo STF, que já havia reconhecido, durante o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 4.874, a constitucionalidade da norma da Anvisa.

A Advocacia-Geral lembrou, ainda, que a Lei n. 9.782/1999 (em seu artigo 7º, incisos III e XV) atribui à Anvisa o poder-dever de estabelecer normas, propor, acompanhar e executar as políticas, as diretrizes e as ações de vigilância sanitária e proibir a fabricação, a importação, o armazenamento, a distribuição e a comercialização de produtos e insumos em caso de risco iminente à saúde.

A AGU também assinalou que os aditivos restringidos são incluídos nos cigarros com o objetivo de deixar o produto mais atrativo, o que pode inclusive estimular o consumo por parte do público infanto-juvenil, além de reforçar a dependência do cigarro.

O ministro do STF Luiz Fux, relator da reclamação, reconheceu que houve desrespeito à decisão da Suprema Corte e autorizou a Anvisa a reestabelecer os efeitos do regulamento.

“A atuação passa o recado de que a Anvisa está atenta às decisões que vem sendo proferidas e que o Supremo realmente está firme na sua posição e que não vai permitir que a sua decisão seja questionada ou invalidada”, avalia a procuradora-chefe da Anvisa, Wladia Maracaba. “Nós precisamos inibir a proliferação de estímulo ao consumo do cigarro. É de fundamental importância para a população e para o país”, conclui. 

Referência: Reclamação nº 36.220/STF.


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »