AGU garante inclusão de devedores dos cofres públicos em cadastro de inadimplentes

Imprimir: AGU garante inclusão de devedores dos cofres públicos em cadastro de inadimplentes Compartilhamento: AGU garante inclusão de devedores dos cofres públicos em cadastro de inadimplentes AGU garante inclusão de devedores dos cofres públicos em cadastro de inadimplentes AGU garante inclusão de devedores dos cofres públicos em cadastro de inadimplentes AGU garante inclusão de devedores dos cofres públicos em cadastro de inadimplentes
Publicado : 22/05/2019 - Atualizado às : 14:38:04

Imagem: Ascom/AGU
Imagem: Ascom/AGU

A Advocacia-Geral da União (AGU) garantiu a inclusão de devedores dos cofres públicos em cadastros de inadimplentes. A atuação ocorreu por meio de cinco agravos de instrumentos contra pedidos, formulados em execuções fiscais, que impediam o cadastro de inadimplentes na modalidade online (pelo SerasaJud), ou, em caso de impossibilidade, por meio de ofício em meio físico.

A medida é adotada no âmbito de execuções fiscais para cobrar débitos quando não são localizados bens dos devedores passíveis. Magistrados de primeira instância, no entanto, entenderam que a inscrição dos executados em cadastro de inadimplência não necessitava de medida judicial ou de transferência de ônus para o poder Judiciário, uma vez que poderia ser adotada no próprio âmbito administrativo. Ou seja, caberia ao credor buscar essa inscrição junto a um cadastro restritivo de crédito.

Mas a AGU, por meio do Núcleo de Cobrança e Recuperação de Créditos da Procuradoria Regional Federal da 1ª Região (PRF1), argumentou que esse entendimento era equivocado, uma vez que o próprio Código Processual Civil determina que compete ao juiz, na qualidade de presidente do processo, determinar todas as medidas indutivas, coercitivas, mandamentais ou sub-rogatórias necessárias para assegurar o cumprimento de ordem judicial, inclusive nas ações que tenham por objeto prestação pecuniária.

Sendo assim, uma das medidas, segundo o próprio CPC, é a que autoriza a parte a requerer ao Poder Judiciário a inscrição no cadastro de inadimplentes do nome do devedor que esteja impedindo ou dificultando a obtenção de crédito público ou privado, enquanto não satisfeita a obrigação.

“Essa é mais uma ferramenta que o Judiciário tem para fazer com que o devedor cumpra a sua obrigação e até uma forma bastante efetiva, já que o devedor vai ficar impossibilitado de realizar uma série de operações creditícias por conta dessa restrição; o que o constrange a buscar de uma forma mais célere o processo”, explica o procurador federal Manuel Jasmim.

Relator dos recursos, o desembargador federal Novély Vilanova da Silva Reis reconsiderou decisão anterior, acolheu os argumentos da AGU e adotou o recente entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que, em julgamento de caso semelhante, admitiu a inscrição do devedor de débito fiscal em cadastros de inadimplentes.

Referência: Processos nº 1006380-27.2018.4.01.0000; 1004644-71.2018.4.01.0000; 1006617-27.2019.4.01.0000; 1006683-07.2019.4.01.0000; e 1007280-73.2019.4.01.0000.

A PRF1 é unidade da Procuradoria-Geral Federal (PGF), órgão da Advocacia-Geral da União (AGU).


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »