DNIT REALIZA MUTIRÃO DE CONCILIAÇÃO PARA AGILIZAR OBRAS DE PONTE DO GUAÍBA

Imprimir: DNIT REALIZA MUTIRÃO DE CONCILIAÇÃO PARA AGILIZAR OBRAS DE PONTE DO GUAÍBA Compartilhamento: DNIT REALIZA MUTIRÃO DE CONCILIAÇÃO PARA AGILIZAR OBRAS DE PONTE DO GUAÍBA DNIT REALIZA MUTIRÃO DE CONCILIAÇÃO PARA AGILIZAR OBRAS DE PONTE DO GUAÍBA DNIT REALIZA MUTIRÃO DE CONCILIAÇÃO PARA AGILIZAR OBRAS DE PONTE DO GUAÍBA DNIT REALIZA MUTIRÃO DE CONCILIAÇÃO PARA AGILIZAR OBRAS DE PONTE DO GUAÍBA
Publicado : 21/05/2019 - Alterado : 03/06/2019

DNIT realiza mutirão para realocação devido à construção da ponte do Guaíba

Para concluir a obra, Autarquia precisa realojar cerca de 1.700 famílias de três áreas, onde parte do traçado da nova estrutura passa

 

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), por meio de sua Superintendência Regional no Estado do Rio Grande do Sul, realizou, na última semana, mais um mutirão de conciliação para a desapropriação de imóveis para a construção da nova ponte do Rio Guaíba, responsável por ligar Porto Alegre com a região sul do Estado.

A construção da ponte é esperada há décadas. Só que o traçado passa por cima de três áreas da capital do Rio Grande do Sul. Assim, para conseguir a licença ambiental e seguir com a construção, importante também por ligar o Brasil com os países do Mercosul – Uruguai, Argentina e Chile -, o DNIT se comprometeu a realocar essas famílias e dar uma destinação digna a essas pessoas. Até o momento, com 84% da obra concluída, cerca de 550 ações já foram ajuizadas pela Autarquia. No total, cerca de 1.700 famílias precisarão ser realocadas.

Na Justiça Federal, o DNIT e as famílias negociam os valores das indenizações. A autarquia oferece três opções para os moradores: a compra assistida, na qual o órgão adquire um imóvel para a família – o valor varia de R$ 152 mil, para famílias de até cinco pessoas, e R$ 178 mil, se houver mais de cinco –; uma indenização e, por último, a construção de uma nova residência, neste caso, em outro ponto da cidade.

Extensão - O empreendimento terá uma extensão de 12,3 quilômetros com um total de cinco quilômetros de trecho em aterro e 7,3 quilômetros em obras de artes especiais (ponte sobre os canais navegáveis, elevada, viadutos e alargamento da ponte Saco da Alemoa). Com 28 metros de largura nos vãos principais, a pista contará com duas faixas de rolamento com acostamento e refúgio central. O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) prevê que 50 mil veículos utilizem a nova ponte diariamente.

O desafio desta construção é o fato de a obra atravessar uma Unidade de Conservação Ambiental, o Parque Estadual Delta do Jacuí, e necessitar de atenção especial durante a sua execução. Os programas ambientais previstos no processo de licenciamento ambiental nortearão as ações de mitigação, controle e monitoramento para que seja possível assegurar a manutenção da qualidade ambiental das áreas impactadas.

A nova travessia do Guaíba está sendo construída sobre a água a partir de peças pré-moldadas que são fabricadas em canteiros industriais e montadas no local definitivo. A estrutura em elevada permitirá que a fauna e a flora nativas possam manter o fluxo gênico entre as porções cortadas pela ponte. A obra teve início em outubro de 2014.

Fonte: ASCOM/DNIT

Foto: Consórcio Ponte do Guaíba


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »