Justiça nega liminar para alterar regras do concurso da Polícia Federal

Imprimir: Justiça nega liminar para alterar regras do concurso da Polícia Federal Compartilhamento: Justiça nega liminar para alterar regras do concurso da Polícia Federal Justiça nega liminar para alterar regras do concurso da Polícia Federal Justiça nega liminar para alterar regras do concurso da Polícia Federal Justiça nega liminar para alterar regras do concurso da Polícia Federal
Publicado : 03/02/2005 - Alterado : 31/01/2009
O juiz federal substituto da 1ª Vara da Justiça Federal do Amapá, Arthur Pinheiro Chaves, indeferiu o pedido de liminar que pretendia alterar os critérios de seleção para as candidatas do sexo feminino às carreiras de policial federal, na aplicação do teste de barra fixa dinâmica. A decisão foi na ação civil pública de autoria do Ministério Público Federal que pretendia alterar as exigências de aprovação para as candidatas do sexo feminino, ou atribuir caráter não-eliminatório à prova de aptidão físico.

A Advocacia-Geral da União (AGU) no Amapá considerou na sua defesa que a inscrição dos candidatos no concurso implica na aceitação das normas contidas na Instrução Normativa (IN) 003/04, publicada na imprensa oficial. A IN estabelece critérios para as provas de aptidão física, sem que houvesse qualquer contestação ou alteração do seu conteúdo no desenrolar do concurso.

A finalidade do concurso, conforme argumentou a AGU, é selecionar os candidatos mais aptos para ocupar os cargos de carreira Policial Federal. Neste caso, não são meros ocupantes de cargos administrativos, mas desempenham a função policial que exige o mínimo de condicionamento físico.

O juiz acatou os argumentos da AGU e considerou ainda que apenas uma flexão em barra fixa para as candidatas, metade do que é exigido para o sexo masculino é compatível com a disparidade de força física entre os dois sexos. Neste caso, decidiu que a Administração Pública Federal respeitou o princípio da isonomia, conforme determina a Constituição. "Os critérios adotados pelo Departamento de Polícia Federal para ambos os sexos se amoldam perfeitamente ao mínimo que se possa exigir para o desempenho da atividade de um policial", disse o juiz na decisão.

Segundo ele, não há lei ou qualquer ato normativo que prevê distinção entre homens e mulheres para o exercício das funções do cargo de Delegado da Polícia Federal. "Vale dizer, não existe uma polícia federal feminina e outra masculina. As funções inerentes ao cargo são exercidas indiscriminadamente por homens e mulheres".

Além disso, considerou que não cabe ao Judiciário entrar no mérito de questões que são da exclusiva competência administrativa. "A fixação dos critérios para aferição do vigor físico necessário para o exercício das funções policiais inclui-se, em princípio, na atividade discricionária da administração", disse o juiz.

O juiz Arthur Chaves argumentou ainda que o quê se pretende com a ação é "um privilégio e não a aplicação da justiça". Isto porque "em momento algum antes da realização das provas e mesmo logo depois alegou o autor irregularidades no edital ou no regulamento" do concurso. Disse ainda que somente após a reprovação nos testes é que os itens do edital foram questionados "injustificadamente".

Isto ocorreu, segundo ele porque "o candidato eventualmente reprovado não logrou êxito em decorrência de seu próprio despreparo, e quem se inscreve em concursos sabe, de antemão, que terá de se submeter a exames físicos rigorosos". E concluiu: mesmo que a liminar fosse concedida "nada garante que as candidatas beneficiadas seriam aprovadas nos demais testes físicos e médicos previstos no edital".


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »