AGU assegura continuidade de cobrança contra empresa de ônibus multada pela ANTT

Imprimir: AGU assegura continuidade de cobrança contra empresa de ônibus multada pela ANTT Compartilhamento: AGU assegura continuidade de cobrança contra empresa de ônibus multada pela ANTT AGU assegura continuidade de cobrança contra empresa de ônibus multada pela ANTT AGU assegura continuidade de cobrança contra empresa de ônibus multada pela ANTT AGU assegura continuidade de cobrança contra empresa de ônibus multada pela ANTT
Publicado : 09/04/2019 - Atualizado às : 14:26:41

A Advocacia-Geral da União (AGU) garantiu a continuidade de nove execuções fiscais, no valor total de R$ 252 mil, da Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT) contra a empresa Transbrasiliana Transportes e Turismo Ltda.

A empresa pedira exceção de pré-executividade buscando extinguir a cobrança das multas, argumentando que o juízo seria incompetente para julgar o caso uma vez que a empresa havia decretado recuperação judicial, o que, segundo ela, significaria que a cobrança deveria ser analisada pelo juízo recuperacional. A empresa também alegou que a dívida estaria prescrita e pediu a paralisação das execuções.

O pedido foi contestado pela Procuradoria Federal no Estado de Goiás (PF/GO) e Procuradoria Federal junto à ANTT (PF/ANTT). As unidades da AGU ressaltaram que o juízo da falência não é a sede jurisdicional adequada para propor execuções fiscais, uma vez que os artigos 5º e 29 da Lei 6.830/80 consagraram a excepcionalidade do juízo da execução fiscal. Dessa forma, cabe à Justiça Federal processar a cobrança.

Citando entendimento do Superior Tribunal de Justiça no sentido de que os efeitos da recuperação judicial não alcançam a cobrança da dívida ativa da Fazenda Pública, a AGU também destacou que a recuperação judicial não tem o condão de suspender o curso dos processos executivos, se restringindo aos débitos perante credores crivados.

A Advocacia-Geral alertou, ainda, que a exceção de pré-executividade se restringe à arguição de matéria de ordem pública e de aspectos relacionados com a formação do título executivo, comprovados de plano e documentalmente, sendo que a empresa não teria apresentado provas suficientes para refutar a presunção de certeza e liquidez das certidões de dívida ativa da União que lastreiam as execuções fiscais.

A 10ª Vara Federal de Goiás acolheu os argumentos da AGU e determinou o prosseguimento das execuções até a fase de expropriação dos bens da executada.

Agilidade

A procuradora federal e coordenadora do Núcleo de Cobrança e Recuperação de Créditos da PF/GO, Luiza Helena Pontes Costa Silva, destacou a importância da atuação: “A empresa em questão tem uma grande quantidade de débitos perante a ANTT. Se elas conseguissem o remetimento dessas nove execuções fiscais para o juízo falimentar, o processo seria muito mais longo – e abriria precedente para que todas as suas outras multas fossem enviadas para esse juízo. Numa ação de execução fiscal, o trâmite de ressarcimento ao erário será muito mais rápido. Graças à atuação da AGU, já será possível executar e receber esses créditos perante a empresa”, explicou.

Referência: Processos nº 28036-38.2015.4.01.3500, 28015-62.2015.4.01.3500, 31461-73.2015.4.01.3500, 31483-34.2015.4.01.3500, 21622-87.2016.4.01.3500, 26026-84.2016.4.01.3500, 26025-02.2016.4.01.3500, 26037-16.2016.4.01.3500 e 26039-83.2016.4.01.3500.

 

Luiz Flávio Assis Moura

 


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »