AGU derruba liminar que invalidava leilão de distribuidora da Eletrobras no Amazonas

Imprimir: AGU derruba liminar que invalidava leilão de distribuidora da Eletrobras no Amazonas Compartilhamento: AGU derruba liminar que invalidava leilão de distribuidora da Eletrobras no Amazonas AGU derruba liminar que invalidava leilão de distribuidora da Eletrobras no Amazonas AGU derruba liminar que invalidava leilão de distribuidora da Eletrobras no Amazonas AGU derruba liminar que invalidava leilão de distribuidora da Eletrobras no Amazonas
Publicado : 14/12/2018 - Alterado : 27/12/2018

Foto: brasil.gov.br
Foto: brasil.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) derrubou liminar que invalidou o leilão da distribuidora de energia da Eletrobras no estado do Amazonas. A decisão de liberar o processo é do presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro João Batista Brito Pereira, que reconheceu que haveria grave lesão à ordem e à economia públicas caso a privatização da estatal fosse suspensa.

A liminar anulando o certame foi deferida na segunda-feira (10/12), mesmo dia em que a central de distribuição foi a leilão. O Tribunal Regional do Trabalho da 1.ª Região concordou com o pedido de suspensão formulado por sindicatos de trabalhadores da Eletrobras.

A Advocacia-Geral recorreu ao Tribunal Superior do Trabalho destacando que o processo de desestatização decorre de atos do Legislativo e normas federais, e que resultará na redução das tarifas do serviço ao consumidor.

Os advogados da União também salientaram que a liminar geraria grande insegurança jurídica. Isso porque o leilão da Central Energética de Alagoas (CEAL), previsto para dia 19/12/2018, poderia ser prejudicado com o afastamento de investidores.

A AGU ressaltou, ainda, que a decisão do TRT da 1ª Região violava o princípio da separação dos poderes por usurpar competência legítima do Poder Executivo, além de comprometer o calendário fixado para encerramento do processo de privatização, previsto para 31/12/2018.

Lesão

O ministro João Batista Brito Pereira fundamentou sua decisão no interesse público relativo aos reflexos do processo de privatização para o consumidor, além da iminência de grave lesão à ordem e à economia publicas caso a liminar fosse mantida.

O pedido de suspensão da liminar foi ajuizado pelo Departamento Trabalhista da Procuradoria-Geral da União, unidade da Advocacia-Geral da União.

Ref.: Suspensão de Liminar nº 1000917-50.2018.5.000000 – TST.


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »