AGU demonstra validade de estimativa populacional utilizada para repasse de verba

Imprimir: AGU demonstra validade de estimativa populacional utilizada para repasse de verba Compartilhamento: AGU demonstra validade de estimativa populacional utilizada para repasse de verba AGU demonstra validade de estimativa populacional utilizada para repasse de verba AGU demonstra validade de estimativa populacional utilizada para repasse de verba AGU demonstra validade de estimativa populacional utilizada para repasse de verba
Publicado : 06/04/2018 - Alterado : 29/05/2018

Foto: Wesley Mcallister/AscomAGU
Foto: Wesley Mcallister/AscomAGU

A Advocacia-Geral da União (AGU) confirmou a validade da estimativa populacional utilizada como base para o cálculo da divisão dos recursos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Os critérios foram contestados pela Prefeitura de Cumaru (PE), que visava, na Justiça, aumentar o número de habitantes na cidade e receber cota maior no rateio da verba.

A gestão municipal questionou a estimativa populacional enviada ao Tribunal de Contas da União (TCU) em 2015, órgão que faz o cálculo do rateio do FPM aos municípios brasileiros. Naquele ano, foram estimados 13.132 habitantes em Cumaru, faixa populacional em que o coeficiente utilizado é de 0,8 para efeito de repasse do fundo ao município.

Em decisão de primeira instância, a 24ª Vara Federal de Pernambuco concordou com o pedido do município para suspender a estimativa populacional de 2015 enviada ao TCU e aplicação do dado referente ao ano de 2014. A determinação inseriu Cumaru na faixa populacional entre 13.585 e 16.980, que indica coeficiente 1,0 para cálculo do repasse do FPM.

Mas as procuradorias-regionais da União e Federal da 5ª Região (PRU5 e PRF5) recorreram da decisão em defesa dos critérios científicos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) adotados nas estimativas populacionais dos municípios enviadas todos os anos ao TCU.

As unidades da AGU explicaram como o instituto estudou a dinâmica populacional do município de Cumaru. A população recenseada da cidade em 2000 e 2010 foi de 27.489 e 17.183, respectivamente. O decréscimo verificado no período, segundo as procuradorias, correspondeu a uma taxa de – 4,59, e a tendência se manteve a partir de 2011.

Isonomia

A Advocacia-Geral ponderou que os conceitos e metodologias utilizados pelo IBGE devem ser iguais para todos os 5.565 municípios brasileiros. “Logo, desconsiderar a estimativa populacional apenas para o município de Cumaru para efeito de repasse do FPM implica em inequívoca afronta ao princípio constitucional da isonomia”, alertou.

As procuradorias lembraram, ainda, que o município reconheceu como correta a estimativa populacional do IBGE de 2014 para definição da cota do FPM, mas rejeitou o dado de 2015 “casuisticamente, apenas porque a estimativa mais recente prejudica”.

A AGU destacou, também, que “aumentar injustificadamente a população de uns, em relação aos outros, daria azo à incontornável crise fiscal entre os municípios e a União”.

Acolhendo os argumentos da AGU, o Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) entendeu que “a fixação de limites máximos e mínimos para a classificação do município em determinado coeficiente de repasse não pode ser modificada pelo Judiciário, sem fortes elementos comprobatórios para tanto”.

Critérios técnicos

O desembargador federal Ivan Lira de Carvalho, relator do recurso, ressaltou em seu voto que “faz-se temerário, sem a prévia comprovação de qualquer nulidade ou inconstitucionalidade das regras legais, enveredar o Poder Judiciário por caminhos que a Constituição Federal reservou expressamente ao Tribunal de Contas da União (art. 161, parágrafo único). A lei adotou critérios e estabeleceu o procedimento técnico para a realização de tal fim, deixando-o a cargo do IBGE a pesquisa para informação do número de habitantes de cada município”.

Os critérios atualmente utilizados para o cálculo dos coeficientes de distribuição da verba do FPM aos municípios estão previstos na Lei nº 5.172/66 (Código Tributário Nacional) e no Decreto-Lei nº 1.881/81.

Ref.: Processo nº: 0800928-37.2015.4.05.8302 – TRF5.

Wilton Castro


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »