AGU comprova caráter público de área que será usada para expansão de campus do IFRN

Imprimir: AGU comprova caráter público de área que será usada para expansão de campus do IFRN Compartilhamento: AGU comprova caráter público de área que será usada para expansão de campus do IFRN AGU comprova caráter público de área que será usada para expansão de campus do IFRN AGU comprova caráter público de área que será usada para expansão de campus do IFRN AGU comprova caráter público de área que será usada para expansão de campus do IFRN
Publicado : 03/04/2018 - Atualizado às : 18:02:01

Imagem: freepik.com
Imagem: freepik.com

A Advocacia-Geral da União (AGU) evitou que a União fosse indevidamente obrigada a pagar indenização de R$ 4 milhões a uma empresa que alegava ter tido prejuízos com a compra de uma área pública em Natal (RN). No processo ficou confirmada a condição inalienável do imóvel, que se encontra em terreno de marinha e deve ser utilizado para expansão do campus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN).

A ação foi proposta pela massa falida da Engequip - Engenharia de Equipamentos Ltda. para suspender o processo administrativo que trata da cessão gratuita do imóvel ao instituto federal. A empresa alegou ter comprado a área – que tem cerca de dez mil metros quadrados e está situada na Travessa das Donzelas, no bairro da Ribeira – da extinta Rede Ferroviária Federal S.A., razão pela qual pleiteou a condenação da União ao pagamento de indenização correspondente a 17% do valor do imóvel no mercado, a título de perdas e danos por deixar de ter o domínio pleno sob a área, além de danos morais.

No entanto, o pedido foi contestado pela Procuradoria da União no Rio Grande do Norte (PU/RN). A unidade da AGU alertou que a compra do terreno era juridicamente impossível, por tratar-se de área localizada em terreno de marinha que, por definição constitucional (artigo 20, inciso VII), pertence à União e é inalienável. A procuradoria esclareceu que a Rede Ferroviária Federal S.A. era mera ocupante do lote.

Acolhendo os argumentos da AGU, a 5ª Vara Federal do Rio Grande do Norte julgou improcedente o pedido da empresa, reconhecendo que o imóvel em questão era terreno de marinha, conforme laudo pericial.

Campus

A sentença assinalou que “a venda do imóvel pela RFFSA à ENGEQUIP ocorreu sem qualquer conhecimento da União, inclusive sem ter sido levado em consideração a necessidade de recolhimento do laudêmio referente à transferência da ocupação”. A decisão ainda assegurou a ocupação do imóvel pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, procedimento já aprovado pela Secretaria do Patrimônio da União no estado.

A PU/RN é unidade da Procuradoria-Geral da União, órgão da AGU.

Ref.: Processo nº 0800289-84.2013.4.05.8400 - 5ª Vara Federal do Rio Grande do Norte.

Wilton Castro


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »