AGU mantém apreensão de embarcação usada no transporte ilegal de madeira no Pará

Imprimir: AGU mantém apreensão de embarcação usada no transporte ilegal de madeira no Pará Compartilhamento: AGU mantém apreensão de embarcação usada no transporte ilegal de madeira no Pará AGU mantém apreensão de embarcação usada no transporte ilegal de madeira no Pará AGU mantém apreensão de embarcação usada no transporte ilegal de madeira no Pará AGU mantém apreensão de embarcação usada no transporte ilegal de madeira no Pará
Publicado : 07/03/2018 - Atualizado às : 15:21:04

Foto: seplan.am.gov.br
Foto: seplan.am.gov.br

A Advocacia-Geral da União (AGU) impediu na Justiça que fossem devolvidas ao proprietário uma balsa e um rebocador apreendidos por uma patrulha da Marinha no rio Anapú, no Pará, sendo utilizados para o transporte ilegal de madeira.

No momento da apreensão, realizada em 2013 no município de Portel, a 270 quilômetros da capital paraense, as embarcações levavam 522,4 m³ de madeira em tora de 28 espécies nativas, segundo laudo de infração do Ibama.

O proprietário chegou a obter decisão favorável na 9ª Vara Federal do Pará para liberar as embarcações, avaliadas em R$ 800 mil, alegando que elas foram alugadas antes da apreensão e que a carga era de responsabilidade do locatário.

Mas a Procuradoria Federal no Pará (PF/PA) e a Procuradoria Federal Especializada junto ao Ibama recorreram e conseguiram reformar a decisão junto ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1).

No recurso, as unidades da AGU demostraram que a apreensão de bens utilizados para cometer ilícito ambiental tem como objetivo impedir a continuidade do delito e está prevista no artigo 72 da Lei 9.605/98 e no Decreto 6.514/08.

Impunidade

As procuradorias ressaltaram que a proteção do meio ambiente deve ter prioridade em relação ao direito de propriedade e que a liberação das embarcações reforçaria a impunidade, já que apenas a multa não seria suficiente para desencorajar o infrator.

“A realidade do desmatamento e transporte clandestino de produtos da Floresta Amazônica é alarmante, razão pela qual a efetividade social da legislação tutelar do meio ambiente é medida que se impõe, e a apreensão dos produtos e instrumentos de infrações ambientais é um dos meios adotados, legalmente, pela administração pública, para alcançar essa efetividade”, argumentaram.

Ao acolher os argumentos da AGU e modificar a sentença, o TRF1 destacou que o direito de propriedade não é absoluto e que deve ser submetido aos interesses da sociedade, entre eles o de “desfrutar de meio ambiente ecologicamente equilibrado”.

“Em direito ambiental aplica-se, também, o princípio da solidariedade, resultando patente a responsabilidade civil, criminal e administrativa de todos os que concorreram para a infração ambiental”, acrescentou a decisão.

A PF/PA e a PFE/Ibama são unidades da Procuradoria-Geral Federal (PGF), órgão da AGU.

Ref.: Apelação Cível nº 32660-65.2013.4.01.3900 – SJPA.

Marco Antinossi


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »