Procurador federal discute imparcialidade judicial em novo livro

Imprimir: Procurador federal discute imparcialidade judicial em novo livro Compartilhamento: Procurador federal discute imparcialidade judicial em novo livro Procurador federal discute imparcialidade judicial em novo livro Procurador federal discute imparcialidade judicial em novo livro Procurador federal discute imparcialidade judicial em novo livro
Publicado : 14/11/2017 - Alterado : 22/11/2017

Imagem: divulgação
Imagem: divulgação

Como foi construído o conceito de imparcialidade judicial no Brasil, desde os tempos do Império até a atualidade? Quais os discursos que são feitos em torno dessa imparcialidade? Como ela funciona em julgamentos do Supremo Tribunal Federal? As respostas para essas e outras perguntas são dadas em “Imagens da Imparcialidade entre o Discurso Constitucional e a Prática Judicial”, livro de autoria do procurador federal, coordenador da Escola da AGU e professor da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília Alexandre Douglas Zaidan de Carvalho.

O lançamento da obra será às 19h do dia 4/12, no restaurante Carpe Diem (CLS 104), em Brasília. O trabalho faz uma perspectiva crítica a respeito das relações entre imparcialidade e independência judicial, contribuindo para o aprofundamento da compreensão sobre o funcionamento do Poder Judiciário no Brasil. Para o autor, a discussão é cada vez mais relevante para os operadores do Direito, em especial os membros da advocacia pública.

“O foco na distinção entre discursos e práticas judiciais como fator constitutivo do comportamento judicial pode auxiliar a desenvolver estratégias para a identificação da atuação judicial parcial, sujeita ao questionamento por meio dos incidentes de suspeição e impedimento”, explica Alexandre. “Além disso, a obra abre a possibilidade de explorar melhor os mecanismos de accountability horizontal e vertical para condicionar o bom funcionamento do nosso sistema de Justiça, outra questão de interesse aos advogados públicos enquanto representantes do Estado, defensores do interesse público e agentes do devido processo legal”, completa.


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »