Banca pode eliminar candidato que se autodeclarar negro de forma falsa

Imprimir: Banca pode eliminar candidato que se autodeclarar negro de forma falsa Compartilhamento: Banca pode eliminar candidato que se autodeclarar negro de forma falsa Banca pode eliminar candidato que se autodeclarar negro de forma falsa Banca pode eliminar candidato que se autodeclarar negro de forma falsa Banca pode eliminar candidato que se autodeclarar negro de forma falsa
Publicado : 07/11/2017 - Alterado : 16/11/2017

Foto: Wesley Mcallister/AscomAGU
Foto: Wesley Mcallister/AscomAGU

A Advocacia-Geral da União (AGU) manteve na Justiça a validade de regra que prevê a eliminação de candidato de concurso público caso sua autodeclaração como negro ou pardo para vagas reservadas a cotistas seja considerada falsa por comissão avaliadora.

A atuação ocorreu em ação movida pelo Ministério Público Federal, que considerou a regra “desproporcional”. O órgão pleiteou que o candidato excluído da disputa pelo sistema de cotas permanecesse no concurso, passando a concorrer às vagas de ampla concorrência.

Mas o pedido foi contestado pela Procuradoria-Regional da União na 5ª Região (PRU5). A unidade da AGU lembrou que a exclusão do candidato está prevista no artigo 2 da Lei de Cotas em Concursos e que a comissão avaliadora do concurso tem competência para atestar a verdade ou falsidade da autodeclaração.

A procuradoria salientou, ainda, que o candidato é excluído apenas quando a autodeclaração for considerada falsa. “Casos indefinidos ou passíveis de serem inseridos nas minorias étnicas afirmadas não têm como ser objeto de recusa peremptória e haverão de ser ratificados. Sobrarão, como afastadas, apenas as hipóteses de autodeclaração completamente afastada da realidade ou falsa”, assinalou a unidade da AGU.

O Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) acolheu os argumentos da AGU e reconheceu a validade da regra.

Pluralismo

Os desembargadores que julgaram a ação assinalaram que “políticas de ação afirmativa do Estado têm como escopo assegurar que a sociedade seja beneficiada pelo pluralismo de ideias, incorporando-se valores culturais diversificados” e concluíram que a eliminação “encontra-se em perfeita consonância” com a legislação caso a autodeclaração não seja confirmada “após procedimento administrativo em que se assegurem o contraditório e a ampla defesa”.

Ref.: Ação Civil Pública nº 0814376-67.2016.4.05.8100 – TRF5.


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »