AGU obtém penhora de créditos de empresa para garantir execução fiscal contra sócio

Imprimir: AGU obtém penhora de créditos de empresa para garantir execução fiscal contra sócio Compartilhamento: AGU obtém penhora de créditos de empresa para garantir execução fiscal contra sócio AGU obtém penhora de créditos de empresa para garantir execução fiscal contra sócio AGU obtém penhora de créditos de empresa para garantir execução fiscal contra sócio AGU obtém penhora de créditos de empresa para garantir execução fiscal contra sócio
Publicado : 18/10/2017 - Atualizado às : 16:14:28

Imagem: Ascom/AGU
Imagem: Ascom/AGU

A Advocacia-Geral da União (AGU) assegurou a penhora de bens e ativos financeiros de empresa para garantir execução fiscal movida contra sócio.

Como o executado não deu garantias nem pagou a dívida cobrada, os procuradores federais obtiveram ordem para bloquear os ativos financeiros dele por meio do sistema Bacen-Jud. No entanto, não foram localizados bens penhoráveis.

Diante disso, as unidades da AGU argumentaram existir fortes indícios de abuso de personalidade jurídica, uma vez que o executado figurava como sócio de 68% da Sato Brasília Indústria e Construções Ltda., empresa com capital social de cerca de R$ 2 milhões.

Com base no artigo 50 do Código Civil, a Advocacia-Geral pediu a desconsideração inversa da personalidade jurídica da empresa, para permitir o afastamento da autonomia patrimonial da companhia para que seu patrimônio passasse a responder pelas dívidas dos sócios.

Segundo a AGU, a “desconsideração da personalidade jurídica inversa ou às avessas” é aceita quando constatada fraude praticada pelos sócios devedores no uso indevido da pessoa jurídica, como nos casos em que esvazia o seu patrimônio pessoal com o intuito de transferi-lo para a empresa.

Decisão

A Vara Federal de Gurupi (TO) acolheu os argumentos da AGU e entendeu ser possível desconsiderar a personalidade da empresa. Dessa forma, determinou a penhora de ativos financeiros suficientes para garantir o pagamento da dívida do sócio.

“Existem elementos suficientes para a pretendida desconsideração inversa da personalidade jurídica da empresa, com amparo no art. 50 do Código Civil, na medida em que o executado, apesar de não possuir bens penhoráveis em seu nome, é sócio/proprietário de empresa com capital social girando em torno de R$ 2.000.000,00”, reconheceu a decisão.

Atuaram no caso o Núcleo de Cobrança da Procuradoria Federal no Estado do Tocantins (PF/TO) e a Procuradoria Federal junto ao Departamento Nacional de Produção Mineral (PF/DNPM). Ambas são unidades da Procuradoria-Geral Federal (PGF), órgão da AGU.

Ref.: Ação de Execução Fiscal nº 4120-96.2012.4.01.4302 – Vara Federal Única de Gurupi (TO).

Filipe Marques


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »