AGU demonstra duplicidade em cobrança de valores do Fundef feita por município de PE

Imprimir: AGU demonstra duplicidade em cobrança de valores do Fundef feita por município de PE Compartilhamento: AGU demonstra duplicidade em cobrança de valores do Fundef feita por município de PE AGU demonstra duplicidade em cobrança de valores do Fundef feita por município de PE AGU demonstra duplicidade em cobrança de valores do Fundef feita por município de PE AGU demonstra duplicidade em cobrança de valores do Fundef feita por município de PE
Publicado : 01/08/2017 - Atualizado às : 18:26:16

Imagem: brfreepik.com
Imagem: brfreepik.com

A Advocacia-Geral da União (AGU) evitou, na Justiça, o recebimento em duplicidade de R$ 2,5 milhões pelo município de Cedro (PE). O valor é referente a diferenças no repasse do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e Valorização do Magistério (Fundef) e foi cobrado em ação coletiva, mas os advogados da União identificaram outra ação individual do município proposta com o mesmo objetivo.

O valor foi pleiteado com base em sentença obtida pela Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) julgada procedente para o pagamento aos municípios associados da entidade dos valores correspondentes à complementação de recursos do Fundef, atualizados conforme a Lei Federal nº 9.424/1996. O município de Cedro requereu, com base na decisão, a execução da sentença no valor de R$ 2,5 milhões.

Contudo, os advogados da União apresentaram pedido de rejeição do processo, conforme parecer técnico do Núcleo Executivo de Cálculos de Perícias da Procuradoria-Geral da União (PGU). O documento consignou que o município de Cedro executou individualmente o valor do débito em ação ordinária, o que já havia resultado na expedição de precatório.

A Procuradoria-Regional da União na 5ª Região (PRU5) defendeu, então, que fosse afastada a cobrança feita pelo município na ação coletiva, em razão do título em favor do município constituído na ação individual. Os advogados da União esclareceram que a ação individual foi proposta em 30/10/2012, enquanto que em 18/03/2015 o município pleiteou a execução do valor de R$ 2,5 milhões na ação coletiva.

Coisa julgada

Os argumentos da AGU foram acolhidos pela 21ª Vara Federal de Pernambuco e o pedido do município na ação coletiva foi extinto. De acordo com a decisão, “o que se observa, em verdade, é que o exequente pretende cobrar a integralidade do crédito objeto da ação individual e, ao mesmo tempo, aproveitar-se da coisa julgada – e do prazo prescricional -  da ação coletiva, de modo a exigir a diferença relativa a 38 meses (janeiro de 2001 a fevereiro de 2003) que não foram abarcados pela ação individual, por força da prescrição quinquenal”.

A PRU5 é unidade da PGU, órgão da AGU.

Ref.: Processo nº 0803333-81.2017.4.05.8300 - 21ª Vara Federal de Pernambuco.

Wilton Castro


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »