AGU defende no Supremo medida do Tribunal de Contas do RJ para continuar funcionando

Imprimir: AGU defende no Supremo medida do Tribunal de Contas do RJ para continuar funcionando Compartilhamento: AGU defende no Supremo medida do Tribunal de Contas do RJ para continuar funcionando AGU defende no Supremo medida do Tribunal de Contas do RJ para continuar funcionando AGU defende no Supremo medida do Tribunal de Contas do RJ para continuar funcionando AGU defende no Supremo medida do Tribunal de Contas do RJ para continuar funcionando
Publicado : 14/06/2017 - Alterado : 22/06/2017

Foto: wikimapia.com
Foto: wikimapia.com

A Advocacia-Geral da União (AGU) apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) manifestação na qual defende a medida adotada pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE/RJ) para continuar funcionando após a prisão de cinco conselheiros e afastamento cautelar de um. Para a AGU, a substituição temporária dos membros afastados por auditores do tribunal, como foi feito, é compatível com as diretrizes dadas pela Constituição Federal para o funcionamento das cortes de contas.

A manifestação ocorre no âmbito de um pedido de intervenção federal no tribunal feito pela Procuradoria-Geral da República. No entendimento da PGR, lei estadual (Lei Complementar nº 63/90) veda que mais de um conselheiro do tribunal seja substituído ao mesmo tempo por auditor. Desta forma, seria necessário que a União indicasse conselheiros interventores para assegurar que o tribunal continuasse funcionando sem que dispositivo legal fosse desrespeitado.

No entendimento da AGU, contudo, a medida não é necessária e o pedido de intervenção ficou prejudicado desde que o próprio Supremo concedeu, no âmbito da Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 5698, cautelar para suspender a eficácia do artigo da Lei Complementar nº 63/90 que, de acordo com a PGR, seria violado pela substituição dos conselheiros. “Não subsiste mais o impedimento legal para a atuação concomitante de mais de um auditor como conselheiro substituto no TCE/RJ”, resumiu a Advocacia-Geral.

Premissas constitucionais

A AGU também assinalou que, além de atender ao princípio da continuidade do serviço público, a solução adotada pelo tribunal está alinhada com as premissas estabelecidas pela Constituição para as cortes de contas. Isso porque, ao se referir ao Tribunal de Contas da União, a Carta Magna preconiza, em seu artigo 73, que o auditor que substituir ministro terá as mesmas garantias do titular. “Essa disposição deve ser aplicada aos tribunais de contas dos estados e do Distrito Federal em decorrência do princípio da simetria”, pontua a Advocacia-Geral.

Para a AGU, a vedação a mais de uma substituição simultânea feita pela lei estadual “instituiu limitação ao desempenho das atribuições dos auditores que não encontra respaldo na Constituição Federal” – o que evidencia a razoabilidade da medida adotada pelo TCE/RJ para continuar funcionando.

Por fim, a Advocacia-Geral destaca que a intervenção federal é uma medida extrema, uma vez que interfere na autonomia de estado-membro. Desta forma, só deve ser utilizada se não houver outro meio capaz de sanar, de maneira eficaz, lesão a princípios constitucionais – o que não é o caso do tribunal de contas estadual.

A presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, suspendeu o pedido de intervenção até o julgamento definitivo da ADI nº 5698. Atua no caso a Secretaria-Geral de Contencioso, órgão da AGU que representa a União no Supremo.

Ref.: Intervenção Federal nº 5215 – STF.

Raphael Bruno


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »