Universidade pública pode exigir experiência profissional em concurso

Imprimir: Universidade pública pode exigir experiência profissional em concurso Compartilhamento: Universidade pública pode exigir experiência profissional em concurso Universidade pública pode exigir experiência profissional em concurso Universidade pública pode exigir experiência profissional em concurso Universidade pública pode exigir experiência profissional em concurso
Publicado : 20/03/2017 - Atualizado às : 17:45:37

Foto: ufu.br
Foto: ufu.br

A exigência de experiência profissional na área administrativa para preenchimento de vagas nas universidades federais tem respaldo legal e deve prevalecer na escolha dos candidatos. Este foi o entendimento defendido pela Advocacia Geral da União (AGU) no sentido de manter as regras do processo seletivo da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

A instituição de ensino lançou o edital nº 14/2009 para preenchimento de cargos de assistentes de administração, sendo que um dos requisitos dos candidatos seria “experiência de 12 meses na área administrativa”. O Ministério Público Federal discordou do critério é ajuizou ação civil pública para obrigar a UFU a retificar o edital e retirar a exigência. O órgão entendeu que o item restringia a participação de interessados e, portanto, haveria ofensa aos princípios constitucionais da isonomia, da razoabilidade e da proporcionalidade.

No entanto, a legalidade e a razoabilidade da exigência foram defendidas pela Procuradoria-Regional Federal da 1ª Região (PRF1), Procuradoria Federal no Estado de Minas Gerais (PF/MG) e Procuradoria Federal junto à Universidade (PF/UFU) – unidades da AGU que atuaram no caso.

Previsão legal

Segundo as unidades da AGU, a Lei nº 11.091/2005 permite que as instituições federais de ensino estabeleçam a experiência profissional como requisito para ingresso nos cargos de assistente em administração. Além disso, os procuradores federais afirmaram que se trata de carreira com o objetivo de garantir o cumprimento eficiente das atribuições da universidade, razão pela qual a instituição possuiria o legítimo interesse de selecionar os profissionais com experiência para ocupar tais cargos.

Os argumentos da AGU foram acolhidos em 1ª instância, mas o Ministério Público recorreu ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1). As procuradorias insistiram na tese da legalidade da exigência da experiência profissional, com base em precedentes do próprio tribunal e das cortes superiores, que reconhecem a regularidade da exigência de experiência profissional em concursos públicos. 

A Quinta Turma do TRF1 deu integral razão à AGU e negou provimento ao recurso. Para o colegiado, “a exigência de experiência profissional para cargo de assistente em administração de instituição federal de ensino tem previsão em prévia lei formal – Lei 11.091/05 – e não constitui ofensa aos ditames constitucionais”.

A PRF1, a PF/MG e a PF/UFU são unidades da Procuradoria-Geral Federal, órgão da AGU.

Ref.: Apelação Cível nº 2009.38.03.002237-3/MG – TRF1.

Wilton Castro


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »