AGU impede que dono de diversos imóveis urbanos obtenha aposentadoria rural indevida

Imprimir: AGU impede que dono de diversos imóveis urbanos obtenha aposentadoria rural indevida Compartilhamento: AGU impede que dono de diversos imóveis urbanos obtenha aposentadoria rural indevida AGU impede que dono de diversos imóveis urbanos obtenha aposentadoria rural indevida AGU impede que dono de diversos imóveis urbanos obtenha aposentadoria rural indevida AGU impede que dono de diversos imóveis urbanos obtenha aposentadoria rural indevida
Publicado : 14/02/2017 - Atualizado às : 14:36:47

Arte: Joheser Pereira/AscomAGU
Arte: Joheser Pereira/AscomAGU

A Advocacia-Geral da União (AGU) obteve sentença favorável em ação que pleiteava a condenação do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) ao pagamento de aposentadoria por idade na qualidade de segurado especial rural. O autor do processo alegava que o benefício foi indevidamente indeferido na esfera administrativa.

No entanto, a Procuradoria Federal no Estado de Goiás (PF/GO) e a Procuradoria Federal Especializada junto ao INSS (PFE/INSS) – unidades da AGU que atuaram no caso – esclareceram que o requerente não fazia jus ao benefício de aposentadoria rural, uma vez que a atual residência dele era no centro da cidade de Uruaçu (GO). Além disso, o autor possuía patrimônio incompatível com a condição de segurado especial, uma vez que foi identificado que ele é proprietário de um veículo e doze casas.

As procuradorias apontaram, inclusive, que tal patrimônio tornava inviável que o autor recebesse o benefício de gratuidade de Justiça e não precisasse pagar pelos custos do processo movido por ele. Segundo os procuradores federais, a conduta do autor configurou litigância de má-fé, “uma vez que ele alterou a verdade dos fatos com a finalidade de obter indevidamente o benefício previdenciário”.

A AGU requereu não só que o pedido fosse julgado improcedente, mas a condenação do autor ao pagamento de indenização pela litigância de má-fé e a revogação dos benefícios da Justiça Gratuita.

Decisão

A Vara Federal de Uruaçu (GO) julgou o pedido do autor improcedente, reconhecendo que ele reside em área urbana e possui patrimônio incompatível com quem alega viver em regime de economia familiar no meio rural. O juiz responsável pela análise do caso também assinalou que o autor tentou alterar a verdade dos fatos com o objetivo de receber o benefício e o condenou, pela litigância de má-fé, a pagar multa de 9% sobre o valor do processo, além de indeferir o benefício de Justiça gratuita.

A PF/GO e a PFE/INSS são unidades da Procuradoria-Geral Federal (PGF), órgão da AGU.

Ref.: Processo nº 901-02.2016.4.01.3505 – Vara Federal de Uruaçu (GO).

Laís do Valle


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »