Beneficiária que não vivia em condição de miséria terá que devolver quantia recebida

Imprimir: Beneficiária que não vivia em condição de miséria terá que devolver quantia recebida Compartilhamento: Beneficiária que não vivia em condição de miséria terá que devolver quantia recebida Beneficiária que não vivia em condição de miséria terá que devolver quantia recebida Beneficiária que não vivia em condição de miséria terá que devolver quantia recebida Beneficiária que não vivia em condição de miséria terá que devolver quantia recebida
Publicado : 19/08/2016 - Atualizado às : 17:27:24

Foto: pancas.es.gov.br
Foto: pancas.es.gov.br

A concessão de benefício de amparo assistencial ao idoso via ação na Justiça pode resultar na devolução das parcelas pagas caso a decisão judicial seja revertida. O entendimento tem precedente e foi confirmado em recurso apresentado pela Advocacia-Geral da União (AGU) para suspender o pagamento a uma beneficiada de Rondônia.

O pedido de concessão do benefício de amparo assistencial à idosa foi julgado procedente em sentença de primeira instância. A Advocacia-Geral acionou, então, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), onde defendeu a tese de que o Estado atua subsidiariamente para garantir o pagamento do benefício, correspondente a um salário mínimo, somente conforme os critérios definidos na legislação.

Por meio das procuradorias Regional Federal da 1ª Região (PRF1) e Especializada junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (PFE/INSS), a AGU explicou que a Lei Orgânica de Assistência Social (LOAS), em consonância com o artigo 203, inciso V, da Constituição de 1988, regulamenta o direito ao benefício de prestação continuada com base no preenchimento de dois requisitos legais simultâneos: ser idoso ou portador de deficiência que incapacite permanentemente o segurado para o trabalho e encontrar-se em estado de miserabilidade.

Os procuradores federais alegaram que, quanto à concessão de amparo social, o benefício é instituído quando a família não puder prover a manutenção do idoso. No caso da autora da ação inicial, ela recebia pensão alimentícia e bolsa família. Além disso, residia com seu filho e sua mãe, que recebia uma aposentadoria e uma pensão por morte, que, somados, formariam renda de dois salários mínimos.

Diante das informações quanto à renda familiar, a AGU ressaltou que a perícia socioeconômica concluiu não existir hipossuficiência econômica, tampouco situação de vulnerabilidade social em relação à autora.

Acolhendo integralmente a tese defendida pelas procuradorias, a segunda Turma do TRF1 deu provimento ao recurso, para reformar a sentença de primeira instância e julgar improcedente o pedido autoral.

De acordo o voto do relator, a “perícia sócio-econômica realizada nos autos indiciou que a parte autora integra grupo familiar com renda per capta razoavelmente superior a ¼ de salário mínimo, inexistindo elementos outros que justifiquem a superação pontual desse parâmetro. Impossível, nas circunstâncias dos autos, o deferimento do benefício assistencial em testilha”.

Devolução

O colegiado reconheceu, ainda, a possibilidade de devolução das parcelas pagas do benefício pela concessão da tutela antecipada, por entender que o Superior Tribunal de Justiça (STJ), em  acórdão proferido no Recurso Especial nº 1.401.560, firmou entendimento de que, “mostra-se desproporcional o Poder Judiciário desautorizar a reposição do principal ao erário quando reconhecida a improcedência do pedido em 1º e 2º Graus de Jurisdição, sendo esta conduta aqui adotada, para a hipótese de eventual concessão de antecipação de tutela em 1º Grau”.

A PRF1 e a PFE/INSS são unidades da Procuradoria-Geral Federal, órgão vinculado à AGU.

Ref.: Apelação Cível nº 18457-07.2016.4.01.9199/RO – TRF1.

Assessoria de Comunicação


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »