Procuradorias evitam que policiais rodoviários recebam acréscimos salariais indevidos

Imprimir: Procuradorias evitam que policiais rodoviários recebam acréscimos salariais indevidos Compartilhamento: Procuradorias evitam que policiais rodoviários recebam acréscimos salariais indevidos Procuradorias evitam que policiais rodoviários recebam acréscimos salariais indevidos Procuradorias evitam que policiais rodoviários recebam acréscimos salariais indevidos Procuradorias evitam que policiais rodoviários recebam acréscimos salariais indevidos
Publicado : 22/07/2016 - Alterado : 19/08/2016

Foto: picarras.sc.gov.br
Foto: picarras.sc.gov.br
O subsídio recebido por policiais rodoviários federais já leva em consideração a jornada de trabalho diferenciada a qual os profissionais estão submetidos, não cabendo o pagamento de horas extras e outros acréscimos, como adicional noturno e intervalo intrajornada. Foi o que o Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) entendeu após atuação da Advocacia-Geral da União (AGU) em ação ajuizada pelo Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais no Estado do Ceará (SINPRF/CE) para cobrar os benefícios. A entidade chegou a obter decisão de primeira instância condenando a União ao pagamento de horas extras e adicional noturno, o que levou a Procuradoria da União no Ceará (PU/CE) e a Procuradoria-Regional da União da 5ª Região (PRU5) a recorrer ao tribunal. Os advogados da União explicaram que a jornada de trabalho dos policiais ¿ 24 horas de plantão seguido de repouso de 72 horas ¿ é diferenciada em razão da função que eles exercem. As procuradorias destacaram que, da mesma forma que em algumas semanas os policiais rodoviários acabam trabalhando mais do que a jornada normal de 40 horas, em outras eles trabalham menos e nem por isso têm a remuneração reduzida. As unidades da AGU também argumentaram que o pagamento de intervalo intrajornada pela administração pública não está regulamento por lei. Por isso, não poderia a PRF, que como órgão público é obrigado a respeitar o princípio da legalidade e fazer apenas o que está previsto em norma, pagar o benefício. Além disso, observaram os advogados da União, ¿a natureza do serviço policial não admite que seja fixado horário para repouso, já que pode acontecer de, neste horário, estar o agente em fiscalização, ronda ou outro tipo de ação que não possa ser interrompida, sob pena de seu trabalho tornar-se inócuo¿. Acréscimos vedados O TRF5 acolheu o recurso da AGU e julgou improcedente a ação do sindicato. A decisão apontou que os policiais rodoviários recebiam gratificações justamente para recompensar a jornada diferenciada a qual estão submetidos, mas que, com a entrada em vigor da Lei nº 11.358/06, tais gratificações foram incorporadas a um único subsídio, sendo expressamente vedado o pagamento de horas extras, adicional noturno e outros acréscimos. A PU/CE e a PRU5 são unidades da Procuradoria-Geral da União (PGU), órgão da AGU. Ref.: Apelação Cível 523918/CE ¿ TRF5. Raphael Bruno
 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »