AGU impede tráfego de veículos em estrada que corta aldeia indígena no interior de SP

Imprimir: AGU impede tráfego de veículos em estrada que corta aldeia indígena no interior de SP Compartilhamento: AGU impede tráfego de veículos em estrada que corta aldeia indígena no interior de SP AGU impede tráfego de veículos em estrada que corta aldeia indígena no interior de SP AGU impede tráfego de veículos em estrada que corta aldeia indígena no interior de SP AGU impede tráfego de veículos em estrada que corta aldeia indígena no interior de SP
Publicado : 02/06/2015 - Atualizado às : 18:05:20

Arte: Bruno San/AscomAGU
Arte: Bruno San/AscomAGU
A Advocacia-Geral da União (AGU) impediu que a Justiça obrigasse a reabertura de estrada no interior paulista que corta a Aldeia Vanuíre, localizada em Arco-Íris (SP). Os advogados comprovaram que a via pertence à comunidade indígena, que decidiu impedir o trânsito de veículos na área.

Para garantir o tráfego no local, o município paulista ajuizou ação de reintegração de posse contra a União, a Fundação Nacional do Índio (Funai) e dois indígenas. A prefeitura alegou que a aldeia bloqueou estrada vicinal que pertence à cidade há pelo menos 70 anos, prejudicando o tráfego local e o escoamento da produção de pequenos produtores rurais e de usina de açúcar e álcool da região.

Porém, em defesa dos índios e da autarquia federal, a Procuradoria Seccional da União (PSU) e o Escritório de Representação (ER) da Procuradoria-Geral Federal (PGF) em Marília (SP) comprovaram que a estrada que corta aldeia está em terras da União, e não do município. Também foi demonstrado que os moradores e produtores locais não têm interesse algum em voltar a utilizar a via fechada.

As unidades da AGU também alegaram que - ainda que o Código Civil considere "possuidor todo aquele que tem, de fato, o exercício, pleno ou não, de algum dos poderes inerentes à propriedade", a chamada "conduta de dono" -, este não é o caso da cidade de Arco-Íris em relação à estrada. Foi demonstrado, por meio de documentos, fotos e relatos de testemunhas, que a via não possui qualquer equipamento público ou sinalização, o que demonstra o completo descaso do município com o local. A única intervenção da cidade na estrada teria sido uma limpeza parcial do caminho, feita apenas para que ônibus escolar transitasse no local.

Diante disso, os advogados públicos afirmaram que o município não possui provas de posse anterior, o principal requisito para a o Judiciário determinar a reintegração. Eles explicaram, ainda, que os índios autorizaram a passagem de caminhões e veículos no local, mas, depois, fecharam a estrada ao constatarem que o trânsito prejudicava a aldeia e a estrada.

A 1ª Vara Federal de Tupã (SP) acolheu os argumentos apresentados pela AGU e negou os pedidos do município. O magistrado que analisou o caso ainda acatou o pedido feito pelos advogados públicos para proibir a prefeitura de adotar qualquer ato para obter a posse da área. "Há fundados indícios de que tal posse era detida pela comunidade indígena residente na área cortada pela via, cujos membros permitiam de modo precário a passagem de alguns moradores do entorno, do ônibus escolar e, mais recentemente, dos caminhões da usina de açúcar e álcool", ressaltou a decisão.

Ref.: Processo nº 0001542-49.2010.403.6122 - 1ª Vara Federal de Tupã (SP).

Filipe Marques

 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »