AGU derruba multa do Conselho de Farmácia aplicada contra escola do Exército em MG

Imprimir: AGU derruba multa do Conselho de Farmácia aplicada contra escola do Exército em MG Compartilhamento: AGU derruba multa do Conselho de Farmácia aplicada contra escola do Exército em MG AGU derruba multa do Conselho de Farmácia aplicada contra escola do Exército em MG AGU derruba multa do Conselho de Farmácia aplicada contra escola do Exército em MG AGU derruba multa do Conselho de Farmácia aplicada contra escola do Exército em MG
Publicado : 25/05/2015 - Alterado : 26/05/2015

Foto: bomdespacho.mg.gov.br
Foto: bomdespacho.mg.gov.br
A Advocacia-Geral da União (AGU) obteve decisão para suspender uma infração aplicada pelo Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais contra a Escola de Sargento das Armas Max Wolf Filho (EsSA), localizada em Três Corações (MG). A atuação confirmou que a unidade do Exército brasileiro não pode ser enquadrada como empresa ou estabelecimento comercial, situação que autorizaria a fiscalização da entidade profissional.

A multa foi aplicada pelo conselho após inspeção realizada em julho de 2012 e resultou na inscrição da escola em dívida ativa. O conselho alegou que a escola de sargentos não possuía, no momento da inspeção, profissional farmacêutico devidamente registrado.

A Procuradoria Seccional da União em Varginha (MG) ajuizou ação com pedido de liminar para anular o auto de infração. A unidade da AGU contestou a afirmação, informando que cinco profissionais farmacêuticos dos quadros da EsSA estavam inscritos regularmente no órgão de classe à época da inspeção.

A procuradoria argumentou, ainda, que órgão militar integrante do organograma do Exército e das Forças Armadas não possui finalidade lucrativa, tendo como único objetivo a formação de sargentos para defesa e segurança do Estado brasileiro, razão pela qual não caberia ao conselho fiscalizá-la.

Ao analisar o pedido da AGU, a 1ª Vara da Subseção de Varginha/MG entendeu que, sendo a EsSA um órgão público federal, subordinado ao Ministério da Defesa, a unidade deveria ser fiscalizada somente pelas Forças Armadas, conforme artigo 142 da Constituição Federal, o artigo 3º da Lei Complementar nº 97/99 e o artigo 5º da Lei nº 6.681/79. O pedido de liminar foi aceito e os efeitos da autuação suspensos, cancelando temporariamente a inscrição da escola militar na dívida ativa.

A PSU/Varginha é unidade da Procuradoria-Geral da União, órgão da AGU.

Ref.: Processo nº 6529-98.2014.4.01.3809 - 1ª Vara da Subseção de Varginha/MG

Wilton Castro

 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »