Procuradorias asseguram permanência de indígenas Tupinambá no sul da Bahia

Imprimir: Procuradorias asseguram permanência de indígenas Tupinambá no sul da Bahia Compartilhamento: Procuradorias asseguram permanência de indígenas Tupinambá no sul da Bahia Procuradorias asseguram permanência de indígenas Tupinambá no sul da Bahia Procuradorias asseguram permanência de indígenas Tupinambá no sul da Bahia Procuradorias asseguram permanência de indígenas Tupinambá no sul da Bahia
Publicado : 04/05/2015 - Alterado : 18/05/2015

Foto: camara.leg.br
Foto: camara.leg.br
A Advocacia-Geral da União (AGU) assegurou a permanência de famílias indígenas Tupinambá em terras tradicionalmente ocupadas nos municípios de Buerarema, Ilhéus e Una, na região sul da Bahia. Os advogados públicos evitaram a retirada da comunidade em ação ajuizada pela Primaver Empreendimentos Imobiliários Ltda.

A empresa ajuizou ação de reintegração de posse contra o Movimento dos Índios Tupinambás, a Associação dos Moradores do Acuípe, a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a União alegando ser a proprietária e possuidora de uma área rural de 500 hectares que teria sido invadida por indígenas da tribo Tupinambá e membros não índios da referida associação.

Contudo, os advogados públicos esclareceram que a área integra a terra indígena dos Tupinambás, cujo processo de demarcação está em andamento. O procedimento foi aprovado pelo presidente da Funai em 2009 e encaminhado ao Ministério da Justiça para homologação.

As procuradorias que atuaram no caso também esclareceram que as diversas famílias indígenas desenvolvem na região agricultura de subsistência e criação de pequenos animais, realizadas mediante projetos financiados por programas federais, estaduais e de organizações não-governamentais.

No local também existe um Núcleo de Escola Estadual Indígena e um posto de saúde, cujos prédios estariam, segundo as unidades da AGU, na iminência de serem demolidos pela empresa. Para os advogados públicos, o direito à vida digna da comunidade deveria prevalecer sobre o direito de propriedade particular.

Acolhendo os argumentos da AGU e levando em consideração que a Primaver Empreendimentos não possuía a posse da área, a Vara Única da Subseção Judiciária de Ilhéus/BA julgou improcedente o pedido de reintegração da empresa revogou as decisões liminares concedidas anteriormente a favor dela.

O procurador federal que atuou no caso, Josué de Souza Brandão Neto, comentou a importância da decisão favorável obtida pela AGU. "A atuação tem sido significativa para a defesa da questão indígena no Sul e extremo Sul da Bahia, no sentido de sensibilizar os magistrados que, além da questão civil, o debate indígena perpassa pela questão social. A AGU tem exercido papel singular, demonstrando que o conflito entre tais princípios deve ser resolvido de forma a garantir a aplicabilidade máxima de ambos", afirmou.

A PSF/Ilhéus e a PFE/Funai são unidades da Procuradoria-Geral Federal (PGF), a PSU/Ilhéus é unidade da Procuradoria-Geral da União (PGU). A PGF e a PGU são órgãos da Advocacia-Geral da União (AGU).

Ref.: Processo nº 2509-75.2010.4.01.3301 - Vara Única da Subseção Judiciária de Ilhéus/BA.

Leane Ribeiro

 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »