Procuradores conseguem decisão que confirma isenção tributária do ICMBio

Imprimir: Procuradores conseguem decisão que confirma isenção tributária do ICMBio Compartilhamento: Procuradores conseguem decisão que confirma isenção tributária do ICMBio Procuradores conseguem decisão que confirma isenção tributária do ICMBio Procuradores conseguem decisão que confirma isenção tributária do ICMBio Procuradores conseguem decisão que confirma isenção tributária do ICMBio
Publicado : 17/04/2015 - Atualizado às : 17:03:55

Foto: en.wikipedia.org
Foto: en.wikipedia.org
A Advocacia-Geral da União (AGU) confirmou, na Justiça, a isenção tributária do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Os advogados públicos conseguiram a liminar ao demonstrar que, como autarquia federal, a entidade faz jus à imunidade recíproca entre os entes federativos prevista na Constituição Federal.

No caso, o ICMBIo licitou a venda de árvores exóticas de três florestas nacionais (FLONA) situadas no Paraná - Piraí do Sul, Açungui e Irati. O objetivo da medida é extrair espécies exóticas invasoras para restaurar a vegetação nativa nas FLONAs, unidades de conservação criadas a fim de viabilizar a pesquisa científica e o uso racional e sustentável dos recursos ambientais.

Mas, ao celebrar o contrato de venda dessas madeiras na Floresta Nacional de Piraí do Sul (PR), a autarquia foi instada a pagar imposto sobre circulação de mercadorias e prestação de serviços (ICMS) ao estado do Paraná. As procuradorias federais no estado (PF/PR) e junto à autarquia ambiental (PF/ICMBio), contudo, ajuizaram ação para evitar a cobrança de ICMS e garantir a continuidade da política pública ambiental, fundamental para garantir a biodiversidade nas unidades de conservação.

Os advogados públicos ressaltaram que, quando o ente público atua dentro de suas funções institucionais, como é o caso, ele não pode ser tributado. Eles explicaram que, ao vender as árvores exóticas, a autarquia ambiental não pode ser confundida com um comerciante ou produtor.

Ao analisar o caso, a 11ª Vara Federal de Curitiba (PR) acolheu os argumentos da AGU e reconheceu que o ICMBio atuou dentro de suas finalidades essenciais, fazendo jus à imunidade tributária. O magistrado também reconheceu a urgência do caso e concedeu a liminar, em prol da conservação ambiental.

A PF/PR e a PF/ICMBio são unidades da Procuradoria-Geral Federal, órgão da AGU.

Ref.: Processo nº 5016750-67.2015.404.7000 - 11ª Vara Federal de Curitiba.

Filipe Marques

 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »