AGU confirma competência do TCU para julgar empresas que recebem recursos públicos

Imprimir: AGU confirma competência do TCU para julgar empresas que recebem recursos públicos Compartilhamento: AGU confirma competência do TCU para julgar empresas que recebem recursos públicos AGU confirma competência do TCU para julgar empresas que recebem recursos públicos AGU confirma competência do TCU para julgar empresas que recebem recursos públicos AGU confirma competência do TCU para julgar empresas que recebem recursos públicos
Publicado : 09/04/2015 - Alterado : 16/04/2015

Wesley Mcallister/AscomAGU
Wesley Mcallister/AscomAGU
A fiscalização realizada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) não é determinada pela natureza dos entes/pessoas envolvidos na investigação, mas pela origem dos recursos (públicos). A tese, defendida pela Advocacia-Geral da União (AGU), foi acatada pela 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), que confirmou a competência do TCU para analisar todas as contas que envolvem os cofres públicos.

O caso surgiu após o ajuizamento de ação contra acórdão do TCU que julgou irregulares as contas da empresa Pedra Bonita Empreendimentos Hoteleiros Ltda., condenando seus representantes a recolherem aos cofres do Tesouro Nacional R$ 7,2 milhões, com correção e multa de até 100% do valor atualizado do dano causado ao erário. A condenação foi imposta pelo recebimento indevido de verba indenizatória relativa a supostos prejuízos de acordo firmado com o extinto Departamento Nacional de Estradas de Rodagem.

A empresa alegou que a sua inclusão no processo de tomada de contas do TCU seria abusiva e indevida, pois ela possui natureza de pessoa de direito privado e, nessa condição, não teria o dever legal de prestar contas ao tribunal. Sustentou, ainda, que recebeu de boa-fé verba indenizatória e que o acórdão não teria demonstrado a existência de prejuízo ao erário.

Contestando as alegações, a AGU defendeu que a corte de contas tem competência para fiscalizar pessoa jurídica de direito privado, já que foram verificados prejuízos aos cofres da União, conforme prevê a Constituição Federal. De acordo com os advogados públicos, a Lei nº 8.443/92 também estabelece a competência do TCU para fiscalizar quaisquer atos lesivos ao patrimônio público e impõe a responsabilização dos envolvidos na ocorrência dos danos.

A 1ª Turma do STF, por maioria, vencido apenas o ministro Marco Aurélio, concordou com a defesa da AGU no caso, e negou o pedido dos autores, verificando a legalidade do acórdão do TCU e reconhecendo a competência do órgão para julgar irregularidades contra recursos públicos e aplicar penas quando necessário.

Atuou no caso a Secretaria-Geral de Contencioso, órgão da AGU responsável pelo assessoramento do Advogado-Geral da União nas atividades relacionadas à atuação da União perante o STF.

Ref.: Mandado de Segurança nº 24379 - 1ª Turma/STF.

Leane Ribeiro

 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »