AGU impede inscrição de candidatos no programa "Mais Médicos" por falta de registro profissional no país de origem

Imprimir: AGU impede inscrição de candidatos no programa Compartilhamento: AGU impede inscrição de candidatos no programa AGU impede inscrição de candidatos no programa AGU impede inscrição de candidatos no programa AGU impede inscrição de candidatos no programa
Publicado : 17/02/2014 - Alterado : 20/02/2014

Arte: Wesley Mcallister/AscomAGU
Arte: Wesley Mcallister/AscomAGU
Em mais uma atuação em defesa do programa "Mais Médicos para o Brasil", a Advocacia-Geral da União (AGU) obteve duas decisões confirmando os requisitos do programa. Dois candidatos estrangeiros contestaram a exigência de registro profissional no país de origem. Contudo, a Justiça confirmou a necessidade do critério e negou os pedidos de inscrição de ambos.

Os médicos formados em Cuba ajuizaram ações na tentativa de ingressar no projeto, embora sem a comprovação da autenticidade das habilitações regulares para o exercício da medicina. O requisito consta no item nº 2.2, alínea "b", do Edital nº 63/2013 da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, formulado para selecionar os candidatos.

Mesmo tendo rejeitados os documentos apresentados, eles pretendiam ter os nomes incluídos na lista de validados e homologados por via judicial, bem como participar do curso de acolhimento realizado a partir de janeiro de 2014. Os juízes que analisaram os pedidos deferiram liminarmente a reintegração ao programa e intimaram a AGU a se manifestar.

A Procuradoria-Regional da União da 1ª Região (PRU1) atuou nos dois casos. Os advogados da União sustentaram que o Governo de Cuba informou ao Ministério da Saúde que eram inválidos os documentos de habilitação para o exercício profissional dos médicos. Em razão disto, eles não foram aceitos para integrar o terceiro ciclo do programa.

Os advogados da União acrescentaram que a Lei 12.871/13, que institui o programa, convertida pela Medida Provisória 621/13, e a Portaria Interministerial 1.369 do Ministério da Saúde e Ministério da Educação, condicionam a participação dos médicos intercambistas à apresentação do diploma e habilitação para o exercício da medicina no país de formação.

"Assim, há justificativa técnica e jurídica para os requisitos exigidos, em prol da qualidade do atendimento à população e ao correto exercício da profissão", destacou um dos trechos da defesa da PRU1, salientando que cabe à coordenação do programa verificar a autenticidade dos documentos apresentados, cuja entrega, conforme a Portaria Interministerial, é de responsabilidade do candidato.

Concordando com os argumentos da AGU, a 21ª e a 22ª Varas da Seção Judiciária do Distrito Federal cassaram a liminar anteriormente deferida. Os juízes entenderam que não foi observado requisito para a admissão relativo à habilitação para o exercício da medicina no país de formação.

A PRU1 é unidade da Procuradoria-Geral da União, órgão da AGU.

Ref.: Ação Ordinária nº 0006527-94.2014.4.01.3400 (21ª VF) e Ação Ordinária nº 0006525-27.2014.4.01.3400 (22ª VF).

Wilton Castro

 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »