Divergências sobre contrato de trabalho temporário do INSS devem ser julgadas pela Justiça Federal

Imprimir: Divergências sobre contrato de trabalho temporário do INSS devem ser julgadas pela Justiça Federal Compartilhamento: Divergências sobre contrato de trabalho temporário do INSS devem ser julgadas pela Justiça Federal Divergências sobre contrato de trabalho temporário do INSS devem ser julgadas pela Justiça Federal Divergências sobre contrato de trabalho temporário do INSS devem ser julgadas pela Justiça Federal Divergências sobre contrato de trabalho temporário do INSS devem ser julgadas pela Justiça Federal
Publicado : 16/08/2010 - Alterado : 18/08/2010
A Advocacia-Geral da União (AGU) conseguiu, na Justiça, vitória em uma ação movida contra o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) por ex-funcionária temporária. A perita médica em ortopedia e trauma alegava prejuízos financeiros resultantes do período em que prestou serviços à autarquia previdenciária. Ela pedia o ressarcimento de aproximadamente R$ 15 mil, além da regularização da situação junto à Receita Federal.

A especialista foi contratada em 1998 pelo INSS para a realização de perícias em casos de revisão de benefícios previdenciários. Ao ser desligada do instituto, alegou erros nos valores acertados por cada atendimento, relatando prejuízos. Argumentou também que a autarquia forneceu informações equivocadas à Receita. A ex-funcionária acionou a Justiça do Trabalho para resolver o caso.

O Escritório de Representação em Feira de Santana (ER/Feira de Santana/BA) argumentou que a Justiça do Trabalho não tem competência para julgar a questão. Explicou que a contratação temporária tem vínculo jurídico-administrativo e estatutário entre a servidora e o INSS e, portanto, cabe à Justiça Federal analisar a ação.

Em primeira instância, a Justiça trabalhista declarou que não poderia julgar o caso, mas a médica recorreu. No Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (TRT5) também foram acolhidos os argumentos do ER/Feira de Santana. O entendimento foi de que a sentença estava de acordo com a jurisprudência consolidada pelos Tribunais Superiores. Para o TRF5, o julgamento da questão deve ser feito pela Justiça Federal.

A ER/Feira de Santana é unidade da Procuradoria-Geral Federal (PGF), órgão da AGU.

Ref.: Recurso Ordinário nº 0024500-55.2009.5.05.0195 - TRT5

Thiago Calixto/Samantha Salomão


 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »