AGU garante validade de contrato de arrendamento de terminal do Porto de Santos

Imprimir: AGU garante validade de contrato de arrendamento de terminal do Porto de Santos Compartilhamento: AGU garante validade de contrato de arrendamento de terminal do Porto de Santos AGU garante validade de contrato de arrendamento de terminal do Porto de Santos AGU garante validade de contrato de arrendamento de terminal do Porto de Santos AGU garante validade de contrato de arrendamento de terminal do Porto de Santos
Publicado : 29/01/2010 - Alterado : 03/02/2010

Porto de Santos é um dos um dos mais importantes terminais públicos de exportação  da América do Sul Foto: www.conttmaf.org.br
Porto de Santos é um dos um dos mais importantes terminais públicos de exportação da América do Sul Foto: www.conttmaf.org.br
A Advocacia-Geral da União (AGU) conseguiu manter, no Superior Tribunal de Justiça (STJ), a validade do contrato de arrendamento do Terminal de Grãos Vegetais (Tegran) da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) pelo consórcio Cargil/LDC. O contrato, que tem prazo de 25 anos mediante pagamento à vista de R$ 221 milhões, havia sido suspenso pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) a pedido da Volcafé Ltda., segunda colocada na licitação (com proposta de R$ R$ 98,35 milhões).

A AGU atuou por meio da Procuradoria-Geral da União (PGU) para suspender liminar do TRF3 que determinava a paralisação do contrato de arrendamento. O contrato, agora mantido, dá continuidade à exploração de um dos mais importantes terminais públicos de exportação do país, sendo extremamente importante para a organização portuária e a economia nacional. A prestação de serviço portuário movimenta milhões de toneladas de carga de grãos de commodities agroindustriais, produto primordial para a base econômica nacional. Mais de 30% da soja do Brasil parte para exterior do Porto de Santos, gera 450 empregos diretos e envolvendo US$ 3,4 bilhões.

A AGU defendeu que os serviços portuários não poderiam ser interrompidos, e que os produtos, por serem altamente perecíveis, não poderiam ficar estocados por muito tempo. Afirmou, ainda, que a suspensão do contrato administrativo teria conseqüências na organização logística do Porto, já que os demais terminais não poderiam absorver a demanda de exportação dos granéis, acarretando congestionamento na atividade portuária local. Na defesa, a AGU esclareceu ainda que o edital da licitação foi previamente aprovado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

A Presidência do STJ acolheu os argumentos da União e deferiu a suspensão da liminar, garantindo a continuidade do contrato. O STJ concluiu que "a iminente interrupção dos trabalhos no terminal é de fato inconcebível".


Ref.: Suspensão de Liminar n.º 2321/SP

Letícia Verdi Rossi
 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »