AGU impede expedição de mandado de prisão contra Procuradora Federal

Imprimir: AGU impede expedição de mandado de prisão contra Procuradora Federal Compartilhamento: AGU impede expedição de mandado de prisão contra Procuradora Federal AGU impede expedição de mandado de prisão contra Procuradora Federal AGU impede expedição de mandado de prisão contra Procuradora Federal AGU impede expedição de mandado de prisão contra Procuradora Federal
Publicado : 29/12/2009 - Atualizado às : 12:17:46
A Advocacia-Geral da União, por meio da Procuradoria Regional Federal da 5ª Região (PRF5), conseguiu, na Justiça, impedir a expedição de mandado de prisão contra a Procuradora-Chefe da Procuradoria Federal Especializada junto ao INSS em Fortaleza (CE), Maria Vilma Barros.

O Juiz Federal da 13ª Vara da Seção Judiciária do Ceará determinou que a Procuradora Federal fornecesse cópia de processo administrativo no qual houve indeferimento de benefício previdenciário, fixando-lhe o prazo de cinco dias. Determinou, ainda, que, caso isso não acontecesse, fosse expedido à Polícia Federal o mandado de prisão em face da Procuradora.

Em defesa da procuradora, a PRF5 impetrou Habeas Corpus preventivo, com pedido de liminar, argumentando que a ordem dada pelo Juiz era estranha à função da representante da AGU. Os procuradores sustentaram que, no caso, a não apresentação dos autos administrativos não constituía crime, além de ser um fato de pequeno potencial ofensivo, sendo impossível e incabível a prisão da Procuradora Federal.

O êxito na atuação decorreu da atuação articulada entre a Procuradoria Federal no Estado do Ceará, a Procuradoria Federal Especializada junto ao INSS, a Divisão de Defesa das Prerrogativas da Carreira e Divulgação Institucional da Procuradoria-Geral Federal e a Procuradoria Regional Federal da 5ª Região. Atendendo aos argumentos apresentados, o Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5), concedeu a liminar de habeas corpus e determinou a expedição de salvo-conduto em favor da Procuradora-Chefe, garantindo, assim, a sua liberdade.

Em relação ao fato, a Procuradoria-Geral Federal, por meio de sua Divisão de Defesa de Prerrogativas da Carreira da AGU, adotará as medidas cabíveis perante órgãos competentes como a Corregedoria do TRF5 e Conselho Nacional de Justiça.

As Procuradorias citadas são unidades da Procuradoria-Geral Federal (PGF), órgão da Advocacia-Geral da União (AGU).

Ref.: Habeas Corpus n.º 3808/CE TRF-5ª Região

Rafael Braga

 
« Notícia anterior
 
Próxima notícia »